31 de outubro de 2019

No dia 24 de outubro de 2019 realizamos duas oficinas com total de 43 participantes do Projovem Centro, Ilhas e Farrapos com o tema “Bullying e Cultura da Paz”. Introduzimos a questão dos Direitos Humanos através de um clipe musical sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Questionamos-vos se vivenciaram o bullying e a maioria disse que sim e que existia muito na escola. Ouvimos algumas experiências e ressaltamos as consequências negativas dessas práticas, a importância de compreendermos esse fenômeno social e criarmos alternativas.
Existe a necessidade de identificarmos a diferença da pratica de bullying frente a outras situações de violência e discriminação que ocorrem. O bullying tem que ser compreendido como intimidação sistemática e analisado pela sua repetitividade e sofrimento causado. Se essas duas características não estiverem presentes se descarta o diagnóstico de bullying. Apresentamos as leis municipal n° 10.866 e federal n° 13.185 que tratam de todos temas referentes a essa temática. Apontamos a cultura de paz como uma alternativa frente a cultura da violência e indicamos um caminho a ser percorrido na busca de justiça entre os seres humanos. Concluímos a oficina exibindo um vídeo que pode ser usado na multiplicação do conhecimento agregado a esse momento formativo.       


 

No dia 29 de outubro de 2019 duas representantes dos grupos solidários Misturando Arte e Artesanarte participaram de uma aula com o curso de Design da PUCRS. A atividade ocorreu no Living 360° e teve por objetivo mostrar como foi o processo de produção e confecção dos estojos e das capas de chuvas criadas por alunos do curso no semestre de 2018/2 e confeccionadas por esses dois grupos solidários. Hoje as capas e os estojos se encontram para comercialização na PUCRS STORE. A aula do dia 29 colocou os artesãos em contato com os alunos para se possa alinhar questões de criação e produção desde o início do processo. Os artesãos também apresentaram suas técnicas e a experiência que tiveram na edição anterior do projeto, bem como, os maiores desafios enfrentados. A partir desse pontapé inicial fica agora a curiosidade do que vem por aí nessa relação entre alunos e artesão da economia solidária Rede Ideia.






30 de outubro de 2019

No dia 07/10 de 2019, o Centro de Referência em Direitos Humanos-AVESOL ministrou 02 oficinas sobre Direitos Humanos e Cidadania para jovens atendidos pelo Projovem da Instituição Esperança Cordeiro, no CRAS Nordeste, localizado na Rua Martin Felix Berta, nº 2357 - Bairro Mario Quintana, Porto Alegre/RS.
O objetivo da oficina foi passar as crianças quais são os principais Direitos Humanos reconhecidos em nossa Constituição, promovendo a reflexão sobre a importância do respeito aos Direitos Humanos para o exercício pleno da cidadania, bem como descontruir certas visões arraigadas no senso comum sobre o conceito de Direitos Humanos.
Assim, debateu-se sobre os Direitos assegurados em nossa Constituição federal, tais como o Art. 5º, que diz que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade; art. 14: a soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos; art. 6º: são direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição; art. 9º: é assegurado o direito de greve, competindo aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio dele defender e o art. 225: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações.
Viu-se que, em geral, tais direitos não são plenamente garantidos. Assim, perguntou-se, como podemos fazer para implementá-los? Exercendo a cidadania! Mas o que é cidadania? Bom, viu-se que na Constituição (art. 1º) está expresso que o Brasil é um Estado Democrático de Direito e tem como um de seus fundamentos a cidadania e a dignidade da pessoa humana.
Com isso, conclui-se que a cidadania é a expressão concreta do exercício da Democracia. Exercer a cidadania plena é ter direitos civis, políticos e sociais. Expressa a igualdade dos indivíduos perante a lei, pertencendo a uma sociedade organizada. É a qualidade do cidadão de poder exercer o conjunto de direitos e liberdades políticas, socioeconômicas de seu país, estando sujeito a deveres que lhe são impostos. Relaciona-se, portanto, com a participação consciente e responsável do indivíduo na sociedade, zelando para que seus direitos não sejam violados. 

Por fim, foi realizada dinâmica entre os participantes, possibilitando que fizessem a relação entre os direitos vistos na oficina e ações cotidianas da vida.




Nos sábados de tarde, desde o dia 07 de setembro de 2019, o Centro de Referência em Direitos Humanos-AVESOL tem promovido aulas de português para imigrantes. As aulas são ministradas por professores voluntários, com espaço lúdico e de cuidado para as crianças imigrantes, que realizam oficinas com psicóloga voluntária, possibilitando uma maior adesão dos alunos, que podem trazer seus filhos, enquanto assistem às aulas.
Os alunos, em sua maioria, são venezuelanos, mas há cubanos e haitianos na turma, que tem se mostrado muito acolhedora com novos alunos, bem como respeitado o tempo de aprendizado de cada um. As pessoas voluntárias que ministram as aulas têm formação em jornalismo e artes cênicas, possuindo, além da experiência com o ensino da língua portuguesa, capacidades lúdicas e interativas com a turma. Isso possibilitou um forte senso de união no grupo, aumentando a adesão destes nas aulas.
Veja-se que não é fácil para o público imigrante frequentar cursos de língua portuguesa, pois a situação de vulnerabilidade de muitos impõe que escolham entre fazer uma refeição ou melhorar sua fluência na língua. Mesmo com alguns morando longe do local das aulas, a participação dos alunos tem sido frequente.
O material pedagógico varia conforme a aula, tendo sido utilizado prioritariamente o livro base da ACNUR, chamado “Pode Entrar: Português do Brasil para Refugiadas e Refugiados”. Foram realizadas, também, aulas temáticas, nas quais os alunos fizeram uma salada de frutas, enquanto iam aprendendo os nomes das frutas utilizadas. Durante as aulas, são feitos exercícios de gramática e fonética com os alunos. Com as crianças, o trabalho variou entre contação de história, modelagem com argila, pinturas e atividades lúdicas com brinquedos.
As aulas são bastante animadas, possibilitando uma riquíssima troca cultural e aprendizado para todos. O trabalho com as crianças mostra como é importante vinculá-las para que os pais e cuidadores possam se sentir também motivados a virem com regularidade nas aulas. As crianças demonstram gostam de frequentar o espaço, tendo criado uma relação de vínculo entre elas.
Outro ponto interessante é a frequente troca de “vagas de emprego” entre o grupo, o que demonstra união, pois todos querem estar empregados e felizes no Brasil. Assim, os alunos estão sempre compartilhando ofertas de vagas de emprego e fazendo recomendações entre si.
De uma maneira geral, as aulas estão cumprindo com seu objetivo, pois o projeto de aulas de português para imigrantes nasceu da necessidade atual e urgente de possibilitar maior inclusão cultural, melhores oportunidades de emprego e renda, bem como acesso a direitos de pessoas em situação de migração, morando em Porto Alegre/RS e Região Metropolitana. Desse modo, pode ser afirmar que os cerca de 15 alunos que frequentam as aulas todos os sábados estão obtendo sua proficiência na língua portuguesa e adquirindo capacidades para enfrentar as situações cotidianas da vida no Brasil.









28 de outubro de 2019


Nos dias 16, 17 e 18 de outubro ocorreu no Colégio Marista Graças de Viamão mais uma edição da Feira da Cidadania, participaram 10 grupos de economia solidária assessorados pela AVESOL integrantes da Rede Ideia. O espaço proporcionou uma troca de saberes entre os grupos que participaram e a comunidade escolar, que prestigiou o evento ativamente. A feira contou uma variedade de produtos artesanais confeccionados a partir de resíduos têxteis além da comercialização de produtos alimentícios baseado na segurança alimentar.
As edições das Feiras da Cidadanias que ocorrem nos Colégios Maristas têm contribuído para o fortalecimento de práticas de comercialização solidária através de ações colaborativas a qual tem contribuído para construção de uma cultura da Paz e da Solidariedade.
A AVESOL e os grupos de economia solidária agradecem a comunidade escolar que nos acolheu fraternamente em especial a equipe diretiva pelo carinho com os grupos da Rede Ideia, o evento encerrou as 17h30min do dia (18) com a participação da Diretora, Vice-Diretora e da coordenação pedagogia. 






No dia 25 de outubro de 2019, o Programa de Voluntariado da AVESOL realizou uma visita a Instituição Casa Madre Giovanna, que se localiza no Campo da Tuca em Porto Alegre.
A Instituição pertence as Irmãs Missionárias Franciscanas do Verbo Encarnado que se propõe a construção do Ser Humano integral, acolhendo crianças, adolescentes e famílias em vulnerabilidade social, contribuindo para uma humanização mais plena.
Agradecemos a acolhida pela Coordenadora, Irmã Marivone, acreditando que através de uma Rede de solidariedade poderá existir uma justiça social.




25 de outubro de 2019


Nos dias 14 de outubro de 2019, o Centro de Referência em Direitos Humanos-AVESOL ministrou oficina sobre Gênero e Sexualidade para 15 jovens, atendidos pelo Projovem Adolescente do Eixo Baltazar e Nordeste em Porto Alegre/RS.
A oficina foi ministrada por solicitação da Equipe de Educadores que se preocupa com o futuro, decisões e convivência social dos 100 jovem a quem o projeto é ofertado. O educador ressaltou a importância de novos conhecimentos e vivencias para jovens destes bairros.
A oficina foi ministrada com objetivo de promover o debate em relação às diferenças e enfatizando o respeito com todas as pessoas e também debater sobre situações de violência contra mulheres e homossexuais.
A oficina tratou sobre o respeito as escolhas de cada pessoa, a importância da conscientização em relação a transmissão de IST’s, as formas de prevenção das mesmas e das situações de violência, e onde solicitar auxilio caso, vivencie uma delas.
O tema que mais gerou dúvidas e questionamentos, foi sobre o consentimento nas relações afetiva/sexual. O consentimento foi amplamente debatido, surgiram muitos exemplos e incluindo encenações. 




23 de outubro de 2019

No dia 22 de outubro foram iniciadas as oficinas de formação para os seis grupos de economia solidária que participam do projeto Recriando Ideias, através da parceria firmada entre o Instituto Lins Ferrão e Avesol. 

Nesse encontro esteve presente a representante do Instituto, Rejane Pieretti Duarte.

Além das oficinas de capacitação na sede da Avesol, acontecem as assessorias nas sedes dos grupos. As próximas oficinas já estão agendadas até o final de outubro e os acompanhamentos acontecerão também durante o mês de novembro. 

Todos os participantes estão aproveitando os encontros também como um espaço de socialização e troca de experiências.




22 de outubro de 2019


No dia 18 de outubro de 2019 o Programa Comunidade Produtiva ministrou uma oficina sobre Economia Solidária e o Mundo do Trabalho para adolescentes que fazem parte do Projovem da Mapa na Lomba do Pinheiro na Instituição da Amurt Amurtel nos turnos da manhã e tarde.
No momento, foi abordado com eles uma outra perspectiva dentro do mundo do trabalho a partir de uma sensibilização com a dinâmica da Fábrica de Sapatos, provocando os jovens a pensarem a partir de suas realidades, o modo como estão inseridos na sociedade e de que forma contribuem para a transformação que esperam ou para reprodução do sistema que questionam.
Para o debate eles trouxeram as poucas oportunidades de trabalho que lhes são ofertadas com baixos salários, além dos preconceitos de raça, gênero e social que sofrem ao procurar tais oportunidades. Durante a oficina o grupo percebeu o quanto estar sozinho pode significar fragilidade frente a estas realidades, o que nos impede a buscar o fortalecimento do espírito coletivo e da Economia Solidária como alternativa de enfrentamento e superação ao atual modelo econômico.
Muitos jovens manifestaram a intensão de seguir sonhando com a Economia Solidária!





Na tarde do dia 14 de outubro de 2019 ocorreu o encontro mensal da Rede Ideia na sede da Avesol com a participação de mais de cinquenta integrantes de grupos Econômicos Solidários da Rede Ideia. Foi uma tarde de muitos aprendizados e importantes para a formação e organização dos grupos. No primeiro momento, foi debatido sobre: A Razão de ser solidário, em que foram levantadas questões relacionadas as realidades da nossa sociedade e dos grupos de Economia Solidária. Após, contamos com a parceria do SICREDI, que conduziu um momento de formação sobre “Educação Financeira” abordando a questão de como podemos gerir melhor as finanças pessoais e dos empreendimentos. Os grupos também puderam debater diversas ações em rede para potencializar seus empreendimentos, destacamos a retomada das compras coletivas, que reduz custos para todos, beneficiando diretamente os envolvidos.





21 de outubro de 2019


No dia 18 de outubro de 2019, o Programa de Voluntariado da AVESOL realizou visita a Escola Estadual de Ensino Fundamental Bahia para renovar a parceria e estreitar os laços no voluntariado.
A Escola atua no ensino infantil e fundamental em turno integral dando uma educação de qualidade, assim como, alimentação necessária aos alunos. Também tem apoio escolar em alfabetização, horta escolar capoeira e danças, possibilitando aos alunos uma ampla visão de cidadania.
Agradecemos a acolhida pela nova Diretora Simara e que essa parceria produza laços de uma transformação humana e social aos voluntá[email protected] e [email protected]




No dia 17 de outubro de 2019, o Programa de Voluntariado da AVESOL participou da Formação aos Voluntá[email protected] do Hospital São Lucas da PUCRS (HSL) que discorreu sobre o tema “Espiritualidade e Cuidados com o Paciente e Familiar” e foi promovido pelo Serviço de Pastoral e Solidariedade.
O momento foi de aprendizado e foi conduzido pelos facilitadores Pastor Marcos Augusto Armange, da IECLB- Pastoral do Cuidado, e Psicóloga Luana Duarte Beck, colaboradora do HSL. Abordaram sobre a importância do ser cuidado em todas suas dimensões, assim como a atenção e carinho necessários aos familiares do paciente.
“ O importante não é o que se dá, mas o amor que se dá”. ( Madre Teresa de Calcutá)



Nos dias 17 e 18/09 de 2019, o Centro de Referência em Direitos Humanos-AVESOL ministrou oficina sobre Sexualidade para jovens, atendidos pela Ensino Social Profissionalizante (ESPRO), em Porto Alegre/RS.
O Direito Humano à liberdade sexual, o respeito à diversidade e a redução dos riscos inerentes a prática sexual só pode ser garantido com o acesso à informação sobre tais questões.
Com isso, a oficina tratou sobre sexualidade, incentivando o debate sobre o assunto que causa muitas dúvidas nos jovens. Quando se abordou a temática da gravidez precoce, muitos jovens apontaram que isso é uma realidade presente em sua vida, tendo eles pessoas conhecidas que passaram por tal situação, ou mesmo eles são filhos de mães precoces.
Debateu-se as principais consequências de uma gravidez precoce e indesejada, como o abandono escolar, pouco cuidado com a saúde do bebe, privação de acesso a melhores oportunidades de estudo e emprego, com a perpetuação do ciclo de pobreza, entre outras questões que foram trazidas pelos jovens.
Mostrou-se os principais métodos anticonceptivos e a sua eficácia, como as camisinhas masculina e feminina, remédios anticonceptivos e o D.I.U.
Os jovens trouxeram suas experiências pessoais sobre os métodos anticonceptivos e como faziam para garantir uma maior eficácia com cada método.
Referiu-se a omissão de informação sobre o assunto, inclusive quando vão em consultas médicas e não são informados sobre os efeitos da combinação de outros remédios junto com os métodos anticonceptivos, em especial, a pílula.
Ao depois, abordou-se o tema da transmissão de IST’s, em especial o vírus HIV, para que os jovens pudessem se movimentar e aprender de forma lúdica como se prevenir nas relações sexuais. Informou-se sobre as principais IST’s a que podemos estar expostos, ressaltando-se que o Estado do Rio Grande do Sul apresenta um dos maiores índices de contaminação por HIV e sífilis.
A conversa com os jovens também abordou o tema do consentimento, uma vez que quando não há consentimento em uma relação afetiva/sexual estará havendo uma violência e, muitas vezes, um estupro.

Houve intensa participação dos jovens, os quais puderam expressar suas angústias e dúvidas sobre os temas tratados. Para isso, cada jovem recebeu um pedaço de papel e caneta para escrever perguntas que tinham vergonha de fazer em público. Houve questionamentos sobre muitas das questões abordadas, como os riscos da gravidez na adolescência, questões sobre sexo oral, transmissão da sífilis, etc. Ao final, todos disseram ter aproveitado muito a oficina, sendo o tema presente e atual em suas vidas.




No dia 16/09/2019, o Centro de Referência em Direitos Humanos – AVESOL ministrou 2 oficinas sobre Bullying e Cultura da Paz para crianças e adolescentes estudantes da EMEF Antônio de Oliveira Carvalho e EMEF Pe. João Inácio de Mello, ambas localizadas no Município de Capela de Santana/RS, pela manhã.
A oficina fez os jovens dialogarem sobre o Bullying, tendo como base a Lei 13.185/15, que instituiu o Programa de Combate à Intimidação Sistemática e previu os tipos de bullying, dispondo que se considera intimidação sistemática (Bullying) todo ato de violência física ou psicológica, intencional e repetitivo que ocorre sem motivação evidente, praticado por indivíduo ou grupo, contra uma ou mais pessoas, com o objetivo de intimidá-la ou agredi-la, causando dor e angústia à vítima, em uma relação de desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas.
Iniciou-se a oficina questionando ao grupo o que é o Bullying. Os jovens não só responderam, como também relataram situações que já vivenciaram, o sofrimento causado por este tipo de violência na vida de cada um, bem como cada um o enfrenta.
Em seguida realizamos uma dinâmica de sensibilização, na qual os jovens, divididos em grupos, relataram em duas folhas de papel, frases que eles gostavam de ouvir e frases que lhes machucavam. 
Ao depois, as frases foram colocadas num cartaz para provocar a reflexão dos jovens sobre tais frases. Estes expressaram os danos causados pelo bullying, apontando que este fere sua autoestima, sentem-se péssimos por dentro e muitas vezes não falam o que estão sentindo. Ficam isoladas e tristes, alguns até trocam de escola, outros ficam depressivos, entre outras consequências.
Assim, encerrou-se a oficina com a dinâmica da teia de sentimentos, em que os jovens foram convidados a dizerem só elogios aos colegas. Neste momento, identificou-se como a lógica da crítica impera, sendo muitas vezes difícil para os jovens elaborar algum elogio, uma vez que não estão acostumados a elogiar, mas sim a sempre criticar e apontar os defeitos nos outros.

Ao final, conclui-se que, para alcançar a Cultura da Paz, é preciso ocorrer uma mudança de atitude que seja capaz de mudar esta realidade, vivendo com valores de respeito, solidariedade e aceitação com o outro como ele é de acordo com suas diversidades.




18 de outubro de 2019



Na tarde do dia 17 de outubro, foi conhecido o brinde escolhido pelo Instituto Lins Ferrão, que será confeccionado pelos grupos participantes do projeto Recriando Ideias, surgido a partir da parceria entre o Instituto e a AVESOL.


Essa parceria tem por objetivo possibilitar a ampliação das oportunidades de negócio de forma coletiva, contribuindo no aumento da renda de cada grupo e devolvendo ao meio ambiente produtos sustentáveis, aumentando o ciclo de vida com a logística reversa.

A partir da destinação de materiais depreciados vindos das redes de Lojas Pompéia e Gang, pertencentes ao Grupo Lins Ferrão, o projeto Recriando Ideias tem o compromisso de entregar até dezembro 3.800 brindes ao Instituto parceiro.

Desde o início da parceria, em agosto deste ano, os 6 grupos participantes do projeto passaram  por 4 oficinas de criação com a participação das designers voluntárias das Lojas Pompéia e Gang. A partir de agora, com a definição do brinde, será iniciado o processo de capacitação.

Com certeza será uma grande experiência para todos os envolvidos!











17 de outubro de 2019


Nos dias 10 e 11/09 de 2019, o Centro de Referência em Direitos Humanos-AVESOL ministrou oficina sobre Gênero para jovens, atendidos pela Ensino Social Profissionalizante (ESPRO), em Porto Alegre/RS.
O objetivo da oficina foi discutir com os jovens as aplicações práticas dos Direitos Humanos à liberdade (autodeterminação) e a igualdade, que incluem o respeito à diversidade de gênero e a igualdade de acesso e oportunidades para acessar os bens da vida. 
Com isso, a oficina tratou sobre questões de gênero, incentivando o debate sobre o assunto que causa muitas dúvidas nos jovens.
A conversa esclareceu o que é a identidade de gênero e como esta se relaciona com as percepções sobre os papeis sociais esperados de cada um. Apontou-se a existência de diversas expressões da identidade relacionada ao gênero, apresentando o conceito de transgênero, travesti e outra performances de gênero, como drag-queen ou drag-king, entre outros.
Houve uma conscientização sobre a importância do respeito à diversidade.
Neste sentido, referiu-se os dados alarmantes da violência de gênero, que causa a morte de uma mulher a cada 2h no Brasil e um homossexual a cada 28h. Perguntou-se aos jovens o que eles já tinham ouvido só serem classificados como de determinado gênero, sendo que este reducionismo do papel social esperado conforme o gênero é um dos principais fatores da violência de gênero, pois nega a diversidade e aniquila outras expressões de gênero que não sejam as tradicionais.
Por fim, discutiu-se as conquistas do movimento feminista pela igualdade de gênero, como o direito ao voto, não discriminação no trabalho, etc., bem como problematizou-se a noção vigente de masculinidade, que impõe determinados comportamentos violentos e tóxicos aos homens. 
Houve intensa participação dos jovens, os quais puderam expressar suas angústias e dúvidas sobre os temas tratados. Ao final, todos disseram ter aproveitado muito a oficina, sendo o tema presente e atual em suas vidas.




15 de outubro de 2019

O Programa de Voluntariado da AVESOL realizou no dia 14 de outubro de 2019 uma visita à Instituição Fé e Alegria para estreitar os laços e firmar mais uma parceria para o Voluntariado.
Fé e Alegria é um Movimento Internacional de Educação Popular Integral e Promoção Social, baseado nos valores de justiça, liberdade, participação, fraternidade, respeito a diversidade e solidariedade dirigido a população empobrecida e excluída, para contribuir com a transformação da sociedade. O total de beneficiados diretos equivale a 1.370 pessoas. A Instituição se localiza na Vila Farrapos em Porto Alegre.
Agradecemos ao Márcio Bachi coordenador pelo acolhimento e pela parceria para uma justiça social.



11 de outubro de 2019


Nos dias 02 a 04 de outubro de 2019 ocorreu a segunda edição do ano da Feira da Cidadania no Colégio Marista Rosário. Com apoio da Comunidade Escolar do Marista Rosário, 12 Grupos Econômicos Solidários da Rede Ideia - AVESOL estiveram presentes nos três dias de feira com produtos diversos. Os produtos a qual a comunidade escolar teve a oportunidade de conhecer e estar explorando são frutos de um comprometimento sustentável, de valorização do trabalho humano e de uma alternativa econômica que visa a diminuição das desigualdades sociais.
O encerramento da feira se deu na presença de uma representação da equipe diretiva do Colégio Marista Rosário, onde foi entregue uma cesta de brindes com produtos de todos os grupos em forma de agradecimento.








No dia 04/09/2019, o Centro de Referência em Direitos Humanos – AVESOL ministrou duas oficinas, manhã e tarde, sobre Direitos Humanos, Meio Ambiente e Contra a Megamineração para jovens atendidos pelo Instituto Brasileiro Pro Educação e Trabalho (ISBET), localizado na Praça Quinze de Novembro, 130, 7º andar, Centro Histórico, em Porto Alegre/RS.
As oficinas abordaram os riscos da mineração e os projetos de licenciamento que estão em andamento sobre a exploração do carvão mineral no Rio Grande do Sul. Apontou-se, especialmente, o risco do Projeto Mina Guaíba, que prevê a mineração de carvão por mais de 20 anos, com grande impacto ao meio ambiente.
Assim, debateu-se a necessidade de pensarmos em novas formas de produção e insumos, com incentivos a reciclagem e a micromineração, que extrai minérios de produtos muitas vezes já descartados. Destacou-se os impactos que seriam causados pelo projeto da Mina Guaíba, como a alteração do nível do lençol freático e dinâmica hídrica do delta do Jacuí, com modificação de sua biota e risco de desequilíbrios ambientais; comprometimento da maior reserva de água de segurança metropolitana - o aquífero quaternário; acidificação dos solos e água por oxidação do rejeito pirita e disponibilização de metais pesados e altamente cancerígenos presentes no carvão e ativados pelo meio ácido; comprometimento, quando não inviabilidade das condições de cultivo local - hoje em parte inclusive orgânico e com localização estratégica pro suprimento urbano; deslocamento de comunidades; dispersão de poeira e poluentes  atmosféricos perigosos; enegrecimento da paisagem pela dispersão e deposição da poeira do carvão; liberação de altíssima carga de CO² num momento global de alto risco climático; impacto sonoro pelas detonações; aumento da pressão rodoviária regional pela circulação da areia e cascalho que seriam lavrados das camadas superiores das cavas; vulnerabilidade adicional de descontrole da liberação das substâncias tóxicas no Jacuí (o rio ainda menos poluído do delta) e na atmosfera  por eventual, mas nem tão improvável, tormenta de maior dimensão.
Por fim, referiu-se a magnitude da mina, que ocuparia 4.400 hectares e geraria 166 milhões de tonelada de carvão mineral de área de banhado, portanto, ecologicamente muito mais vulnerável, e junto a região metropolitana de Porto Alegre, com seus cerca de 4 milhões de habitantes. Qualquer descarte indevido pode vir a comprometer a água e o ar dos quais dependemos em menos de 1 hora, tempo insuficiente para tomar qualquer medida de mitigação/ evacuação.
Os jovens mostraram-se extremamente preocupados com os danos que serão causados a toda população da Região Metropolitana de Porto Alegre caso seja aprovado o projeto da mina de carvão. Para que pudessem se mobilizar contra este retrocesso, foi indicado o site do Comitê de Combate à Mega Mineração no RS: www.rsemrisco.org.br.






No dia 10 de outubro de 2019, o Programa de Voluntariado da AVESOL realizou uma visita a Associação Integração dos Anjos para firmar mais uma parceria no Voluntariado e fortalecer os laços.
A Instituição trabalha com serviço de convivência e fortalecimento de vínculos e atende 220 crianças e adolescentes de 0 a 15 anos  durante o ano todo (turno inverso da escola) e se localiza no Bairro Partenon em Porto Alegre, abraçando a luta, sem distinção de raça, etnia ou religião, procurando garantir a cidadania das famílias da comunidade e o direito universal de toda criança em ter cuidado e educação de qualidade.
Agradecemos a Coordenadora Raquel e educadoras pelo acolhimento, e tendo a certeza da formação de uma rede de solidariedade para juntos fazer uma transformação social.



10 de outubro de 2019

Nos dias 08 e 09 de outubro aconteceu o Encontro Estadual de Catadores, na Casa Marista da Juventude. Com o tema "Nossa luta em defesa da Vida", o encontro reuniu mais de 60 participantes representando 32 cooperativas vindas das seguintes cidades: Porto Alegre, Viamão, Canoas, São Leopoldo, Novo Hamburgo, Cachoeirinha, Santa Cruz do Sul, Rio Pardo, Encruzilhada do Sul, Salto do Jacuí, Pinheiro Machado, Rio Grande, Pelotas, São José do Norte, Turuçu, Ibirubá, Passo Fundo, Cruz Alta, Santo Ângelo, Uruguaiana e Santa do Livramento.
Com o objetivo de organizar as bases para fortalecer as lutas das catadoras e catadores contra a incineração e em prol de uma comercialização solidária em rede, o encontro teve vários momentos de reflexão em grupos e discussões de melhores práticas para alcançar esse objetivo comum.
Além da Rede de Catadores, essa luta é de toda a sociedade através do apoio ao desenvolvimento de outros modelos de coleta e destinação dos resíduos domiciliares. Esse apoio pode ser através da valorização da categoria de catadores e também do pagamento aos serviços prestados para que consigam desenvolver outras alternativas à incineração. A defesa da vida é um dever de todos!





9 de outubro de 2019


No dia 04 de outubro de 2019 a AVESOL esteve na Associação de Mães Rita Yasmin (AMRY) fazendo a entrega de 40 óculos para os atendidos, familiares e comunidade em geral que participaram da Ação Social no Dia Nacional do Voluntariado.
Em parceria com o Lions Club Porto Alegre Floresta, as consultas oftalmológicas foram realizadas gratuitamente assim como a confecção dos óculos, garantindo a quem não tem condições a possibilidade de uma visão e um cuidado melhor.
Agradecemos ao Lions Club Floresta pela parceria, pois somente somando forças em uma rede de solidariedade se conseguirá uma justiça e transformação social. 


  



 No dia 22/08 de 2019, o Centro de Referência em Direitos Humanos-AVESOL ministrou oficina no 1º Seminário Construindo a Rede de Proteção ao Imigrante em Cachoeirinha, sobre “O Acesso às Políticas Públicas e as Vulnerabilidades no Contexto da Imigração”, para cerca de 100 pessoas, entre servidores municipais, estudantes de ensino superior e demais interessados, no Plenarinho da Câmara de Vereadores de Cachoeirinha/RS. O seminário foi realizado pela Prefeitura de Cachoeirinha, através da Secretaria Municipal de Assistência Social, Cidadania e Habitação.

Na cerimônia de abertura, a secretária municipal de Educação, Rosa Maria Lippert, lembrou que a "nossa cidade é formada por imigrantes e a cada dia chegam mais pessoas de fora. Precisamos saber como receber e acolher estas pessoas. Em 2018, tivemos na escola Alzira Silveira uma turma toda de haitianos no Ensino de Jovens e Adultos e agora já temos mais uma turma de 20 alunos. Somos todos seres humanos e precisamos nos humanizar cada vez mais". O titular da Assistência Social, Cidadania e Habitação, Valdir Mattos, recordou a experiência do município com o acolhimento de 80 venezuelanos no ano passado: "fomos à Roraima para acompanhá-los na viagem até Cachoeirinha. Em sete dias, nossa equipe preparou local para acolhê-los e fazer todos os procedimentos necessários. Em seis meses, todos os 80 foram inseridos ao mercado de trabalho. Para nós é motivo de muito orgulho em dar seguimento a este trabalho através deste Seminário". Já o prefeito Miki destacou que "a cidade precisa ser acolhedora e não ter preconceitos de nenhuma espécie. Por isso, temos que acabar com a xenofobia. Neste debate queremos dizer que, nesta cidade, todos são muito bem-vindos e serão acolhidos, não apenas pelo Poder Público, mas por toda a comunidade".
Por sua vez, a oficina realizada pelo CRDH/AVESOL teve como objetivo apresentar o conceito de políticas públicas no Brasil, dentro dos marcos regulatórios existentes, as políticas públicas existentes para os imigrantes no contexto regional e as principais vulnerabilidades enfrentadas por este público em território brasileiro. Assim, apontou-se que as políticas públicas são ações e programas desenvolvidos pelo Estado para garantir e colocar em práticas direitos previstos na Constituição Federal e em outras leis infraconstitucionais. Por serem programas relacionados com direitos que são garantidos aos cidadãos as políticas públicas existem em muitas áreas. São exemplos: educação, saúde, trabalho, lazer, assistência social, meio ambiente, cultura, moradia, transporte, entre outras.
Apresentou-se o ciclo das políticas públicas, desde a identificação do problema, sua formulação, implementação, analise e eventual extinção, bem como a importância da dotação orçamentaria para que o Estado possa realizar a política com excelência. Em relação ao público imigrante, aduziu-se os direitos fundamentais e sociais (arts. 5 e 6 da Constituição) previstos a todos brasileiros, que também são garantidos aos estrangeiros. Salientou-se a existência da lei 7716/89, que prevê a punição da pratica de racismo, ou seja, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.
Ao depois, referiu-se as mudanças no tratamento da migração com a Nova Lei da Migração, Lei 13.445/2017, que revogou o vetusto Estatuto do Estrangeiro de 1980, bem como a manutenção da Lei de Refúgio (Lei 9474-97). Por fim, debateu-se as principais vulnerabilidades identificadas no contexto da migração no Brasil, tais como idioma, falta de informações, moradia, emprego (trabalho), revalidação de diplomas, acesso a serviços de saúde, discriminação (cultura, tradições), burocracia (acesso a serviços básicos) e a falta de referências, principalmente com serviços públicos que mudam constantemente. A oficina serviu para reafirmar o direito humano básico que é o direito à migração.





YouTube

YouTube
Assitir vídeos da AVESOL no canal de YouTube

Notícias arquivadas

Tecnologia do Blogger.

Como Chegar

Principais Contatos

51 3221 2318

[email protected]

Seguidores