2 de dezembro de 2020

Para chegarmos à realização desta edição da Feira Estadual de Economia Popular Solidária do RS, traçamos uma caminhada de muito diálogo, escuta e empatia. Como toda a sociedade gaúcha e brasileira, nos questionamos sobre o que é possível realizar com segurança para mitigar os impactos negativos ocasionados pela pandemia. Na semana em que se comemora o Dia Internacional dos Direitos Humanos estaremos realizando mais uma edição da FEEPS, em um momento de muitos lutos, muitas perdas, mas também de muitos aprendizados, sobretudo da valorização da vida com dignidade enquanto direto humano. Neste sentido, entendemos que a 22º FEEPS já começa com um legado: a prática da solidariedade e da fraternidade, o respeito à vida e ao meio ambiente, princípios da economia solidária, são os pilares fundamentais para uma sociedade mais humana. Através das nossas práticas diárias de cooperação, solidariedade, autogestão e respeito a todas as pessoas, suas escolhas e respeito ao meio ambiente, concretizamos a possibilidade para que os que se encontram saudáveis, seguindo todos os protocolos, possam fazer a comercialização e a divulgação dos produtos e serviços da Economia Solidária em nossa feira, por eles e pelos que precisam se manter em isolamento. Construímos e aprovamos junto a Prefeitura de Porto Alegre, protocolos sanitários para o cercamento da feira, controle do número do público que ingressa na feira, atendendo ao limite de 50% da capacidade de lotação do PPCI, aferição de temperatura de todos para que ingressem no espaço físico da feira, somente pessoas sem febre, disponibilização de álcool gel, toalhas de papel, distanciamento de 5 metros entre as bancas. Embora tenhamos bancas de alimentação e produtos das agroindústrias, não haverá consumo de alimentos dentro da feira, somente a comercialização. Além do cumprimento de pontos básico, como o distanciamento entre as pessoas, limitação do número de expositores atendendo simultaneamente dentro do estande, não permissão para entrada de consumidores dentro dos estandes, constante higienização com álcool gel de locais e equipamentos que sejam manuseados pelos expositores e consumidores. Divulgaremos amplamente no espaço físico da feira os protocolos sanitários que deverão ser seguidos por todos. Excedendo ainda ao acordado iremos diariamente pulverizar a área de calçamento interno da feira com Quartenário de Amônia. Não haverá apresentações culturais, formações ou seminários, nem abertura oficial. Assim, chegamos nesta edição com o espaço físico coberto ocupado semelhante ao do ano passado, 1900 m2, com somente 30% dos estandes de artesanato e confecção (em 2019 eram 121, em 2020 são 36) metade dos estandes de agricultura familiar (em 2019 eram 22 e neste ano serão 11). Todas estas adequações elevaram o custo da feira, onerando mais ainda os expositores que rateiam a totalidadedeste custo, que tem neste evento a sua expectativa e esperança de conseguirem atingir a geração de renda necessária ao sustento de suas famílias. Temos muito orgulho, dos 115 expositores que estarão representando 664 famílias urbanas e 712 famílias rurais de nosso estado, ofertando a sociedade gaúcha produtos de artesanato ( decorativos e utilitários), confecções, sucos, pães, cucas, bolachas, panetones, sucos naturais de frutas nativas, mel, salames, queijos, vinhos, cachaças e cerveja. Contamos com o apoio e a compreensão, como também com a cooperação e solidariedade de todos, prestigiando nossa feira, adquirindo os produtos, fortalecendo a economia local e a Economia Solidária.

 

Serviço da Feira:

Quando: De 07 a 12 de dezembro de 2020

Onde: Largo Jornalista Glênio Peres – Centro Histórico Porto Alegre

Horário: Das 09 as 18 horas.

1900 m2 com 36 estandes de artesanato e confecção, 11 de agricultura familiar/agroindústrias e 1 de alimentação. 70 empreendimentos econômicos solidários, 115 expositores, que representam nesta edição com os protocolos sanitários: urbanos: 774 trabalhadores e 664 famílias e rurais 712 famílias estão representados 23 municípios: Alvorada, Barros Cassal, Caçapava do Sul, Canoas, Caxias do Sul, Crissiumal, Erechim, Estância Velha, Flores da Cunha, Getúlio Vargas, Gravataí, Ijuí, Maratá, Nova Roma do Sul, Novo Hamburgo, Passo Fundo, Picada Café, Porto Alegre, Santa Tereza, São Leopoldo, Sarandi, Três Coroas e Viamão.

 

Realizadores:

Fóruns de Economia Solidária: Gaúcho, Metropolitano, Vale dos Sinos, Caxias, Flores da Cunha, Passo Fundo

Entidades de Representação dos Empreendimentos: Unisol RS e Fetraf RS

Entidades de Apoio e Fomento: Rede ITCPs RS, Avesol, Cáritas RS

Apoiadores: Prefeitura de P Alegre, Cáritas RS e Avesol

Pessoas de referência para contato:

Maribel Kauffmann-articulação – 51 981947677whatsapp – 989341561

Daniela Pimentel- Avesol – 51-97902485

Vera Bortolini – Fórum de P Alegre – 51 98917639

Mayte Pires – Fetraf RS – 51 983043976





20 de novembro de 2020

O Centro de Referência em Direitos Humanos/AVESOL, repudia o bárbaro assassinato de João Alberto, Homem Negro, por seguranças do supermercado Carrefour em Porto Alegre/RS, justamente no mês que lembramos o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, véspera de 20 de novembro, data da morte do líder negro Zumbi dos Palmares, símbolo da luta pela libertação do povo negro da escravidão.

A violência que resultou na morte de João Alberto exemplifica o racismo institucional e estrutural presente na sociedade brasileira, pois demonstra que pessoas negras ainda são vistas com desconfiança e, sem a liberdade de poder frequentar determinados ambientes, e, especialmente de entrarem em confronto com brancos. Tudo isso é permitido se as pessoas advêm de ambientes mais empobrecidos.     

Não por acaso, as pessoas negras são as maiores vítimas da violência de Estado: nas prisões, nas ações das forças de segurança, na violência obstétrica, na falta de vagas em creches, na precarização do atendimento da rede pública de saúde. Todos estes são fatores que contribuem para que a vitimização e mortalidade da população negra seja maior do que entre a população branca.

A negligência quanto ao ensino da História da Escravidão nas escolas, o constante ataque às cotas raciais nas universidades e no serviço público, também fortalecem o racismo, incrustrado em nossa cultura, e por tantas vezes “maquiado”, sob o argumento da “democracia racial”, ou como disse e reafirmou nosso atual Vice Presidente: "No Brasil não tem racismo....", "as pessoas de cor...". Talvez ele precise ler Abdias do Nascimento, quando lembra que "o genocídio do povo negro no Brasil se deu por meio de um racismo mascarado, um processo de embranquecimento forçado.  

Chama atenção, ainda, no caso de João Alberto, a participação de um policial militar fora de serviço, agindo como segurança privado, em nítida desconformidade com a legislação vigente. Registre-se que este tipo de serviço privado, feito quase sempre por necessidade, acaba gerando uma sobrecarga mental e física, justamente sobre aqueles que devem sempre agir de “cabeça fria”.

Assim, repudia-se tão bárbaro assassinato e, todas as falas que buscam minimizar tal situação, especialmente do Sr. Mourão. Sirva esta vida para provocar profundas e reais mudanças na sociedade brasileira, despertando atitudes antirracistas concretas, com o fortalecimento das já existentes. Esta é a hora, estabelece-se aqui um marco social, são necessárias políticas e leis de transformação. Não podemos mais conviver com perdas de Vidas que são minimizadas porque a cor da pele é mais escura.  A valorização das vidas negras e a construção de uma cultura de paz são urgentes. 

Vidas Negras Importam



19 de novembro de 2020

O Programa do Voluntariado da AVESOL assessora mais de 60 organizações sociais que atendem crianças, adolescentes, famílias em vulnerabilidades sociais, população de rua, idosos, pessoas com deficiência, entre outras, que precisam de sua ajuda.

A pandemia aumentou as desigualdades sociais e econômicas, aumentou o desemprego, dificultou o acesso à escola. Os atendimentos realizados pelas organizações sociais está reduzido ou não está acontecendo, muitos atendidos ficam inclusive sem alimentação, pois as refeições eram realizadas nos projetos os quais participavam.

Dessa forma, ainda é extremamente necessária a doação de cestas básicas. Vamos ajudar muitas famílias de diferentes comunidades a garantir um final de ano nutrido de esperança!

Venha fazer a diferença, tendo o sentimento de companheirismo, de solidariedade, construção de laços e atentar para as condições de vida do outro.




 

18 de novembro de 2020

 No dia 11 de novembro, embalados pelas discussões políticas que um período eleitoral carrega, a AVESOL e os companheiros Flávia, representando a cooperativa Ecos do Verde de Santo Ângelo, Iltomar, representando o Projeto Transformação Passo Fundo e Luciano, representando a cooperativa ASCAT de Porto Alegre se reuniram virtualmente. Nossos encontros online têm possibilitado a continuidade de nossas formações e nossas assessorias. A partir das informações coletadas in loco e nas reuniões de grupo, percebemos a necessidade de atualizar e padronizar os instrumentos de gestão já utilizados pelos grupos com objetivo de contribuir na organização da rede de catadores do estado do Rio Grande do Sul. Os participantes que se reuniram trocaram ideias e percepções para os possíveis caminhos que a luta dos Catadores poderia tomar a partir do desenho que as pesquisas eleitorais mostravam. Muita garra será necessária, mas, na conversa, o grupo listou dificuldades em comum e, com a AVESOL, discutiu propostas de soluções e controle para os catadores. É muito enriquecedor para a instituição se relacionar com as cooperativas de vários cantos do estado e ajudar a nutrir a noção de classe e de união entre todas essas associações de catadores do estado, vendo-as se tornarem mais fortes ajudando os seus cooperativados.




11 de novembro de 2020

 O Centro de Referência em Direitos Humanos da AVESOL desde 2016 tem lutado para garantir o direito de moradia das mais de 50 famílias da Comunidade Beira do Rio, localizada às margens do Rio Guaíba.

As famílias ocupam este território há mais de 30 anos. Com a instalação do Centro de Treinamento do Grêmio, algumas casas foram derrubadas, obrigando a comunidade a se deslocar alguns metros mais à frente.

Uma comunidade que ficou invisível aos olhos do Estado até o momento de a área despertar interesses comerciais. Quando a ganância fala mais alto os problemas se tornam mais graves!

O Estado pediu a reintegração de posse e criou uma lei doando a área ao município de Porto Alegre desde que atendesse as necessidades de moradia da comunidade. O município não pretende se responsabilizar e ainda não aceitou a área, gerando inquietude sobre o futuro das famílias que moram no local, sendo inúmeras crianças, idosos e trabalhadores, inclusive com uma horta comunitária.

O Direito à moradia é um direito universal e fundamental para garantir a vida de forma digna, nossos esforços têm sido para garantir o direito das mais de 50 famílias que residem no local.







 

 

 A pandemia modificou a vida de todos nós, mas principalmente das crianças e adolescentes, que perderam de forma física seu espaço de sociabilização e aprendizagem para ganhar vínculos virtuais. Contudo, alunos de escolas públicas estão com muita dificuldade para acessar o mundo virtual, devido à falta de equipamentos e acesso à internet.

Ainda podemos fazer a diferença e ajudar muitas crianças e adolescentes a não perder o ano escolar! O retorno de organizações sociais, com devido distanciamento, está fomentando o reforço escolar e precisa de voluntários para esse suporte.

O Voluntariado é uma oportunidade excepcional para a prática do bem e da solidariedade. Ser Voluntá[email protected] é muito mais que oferecer seu tempo, é muito mais que apenas olhar e sentir a necessidade do outro. Vai além de colocar sua experiência em benefício do coletivo em uma grande corrente de transformação e justiça social.

Venha fazer a diferença, tendo o sentimento de companheirismo, de solidariedade, construção de laços e atentar para as condições de vida do outro.

A alegria está na luta, na tentativa e na certeza que vínculos serão construídos!



 

10 de novembro de 2020

É impossível não pensar em ações que envolvem tópicos sociais sem pensar em política. A AVESOL sabe muito bem dessa situação e não consegue ignorar que teremos, nesse próximo domingo, 15 de novembro, eleições municipais. Portanto, se fez necessária a pergunta no Encontro Virtual da Rede Ideia do mês de novembro: Onde a economia solidária e a política se cruzam? Entre olhares incertos, esperançosos, desconfiados e ansiosos foram trocados, o grupo refletiu que a Economia Solidária é política, é desafio, é ocupar espaços públicos, é força, é solidariedade, é justiça de gênero, é feminista, são conquistas e é esclarecimento social em forma de estudos.

O grupo também refletiu da falta de apoio vindo da política institucional dos atuais governos que invisibilizam a EcoSol e seus trabalhadores. Portanto, a reflexão tirada desse encontro foi: A Economia Solidária precisa de políticas públicas que abram espaços democráticos, que respeitem a capacidade de produção individual das artesãs e que apresentem a EcoSol para a comunidades, apresentando suas características e ideais, gerando, assim, conhecimento e empatia com a causa. 



9 de novembro de 2020

A campanha “Só a Solidariedade não pode PARAR” permitiu que fossem adquiridos 700 pares de luvas (EPI’s) que estão sendo doados às associações, cooperativas e grupos de catadores que fazem parte da Rede Ideia. Mais de 200 pares de luvas já foram entregues aos grupos do interior do estado.

Em Porto Alegre, após doarmos mais de 14 mil máscaras para proteção contra o COVID-19 produzidas pelos grupos de artesanato e confecção que fazem parte da Rede Ideia, iniciamos às doações de luvas com os grupos: Associação de Catadores e Recicladores da Vila Chocolatão – ACRVC e Centro de Triagem da Vila Pinto – CTVP, onde foram doados 60 pares de luvas.

 Para que possamos seguir ajudando mais pessoas precisamos de vocês!

𝐁𝐀𝐍𝐂𝐎 𝐒𝐀𝐍𝐓𝐀𝐍𝐃𝐄𝐑
𝐀𝐆Ê𝐍𝐂𝐈𝐀:1001
𝐂𝐎𝐍𝐓𝐀 𝐂𝐎𝐑𝐑𝐄𝐍𝐓𝐄: 13000688-6
𝐂𝐍𝐏𝐉: 053387950001-66

ASSOCIAÇÃO DO VOLUNTARIADO E DA SOLIDARIEDADE


* 𝐓𝐚𝐦𝐛é𝐦 𝐚𝐫𝐫𝐞𝐜𝐚𝐝𝐚𝐦𝐨𝐬:

Alimentos
Elásticos
Linhas
Materiais de higiene
Óleo de cozinha usado
Tecidos de algodão
Tecidos de TNT







5 de novembro de 2020

 Após um tempo em isolamento social devido ao COVID 19,  olhando para as novas estruturas sociais e seus desafios exisitentes, o Programa de Voluntariado da AVESOL retorna com novas propostas e aprendizado para o trabalho voluntário. Em tempo de pandemia é preciso novos cuidados e mudanças!

Em parceria com a APRS (Associação dos Psiquiatras do RS) e com a participação da AGAFAPE (Associação Gaúcha de Famílias Pacientes Esquizofrênicos) e Rotary Club, o trabalho voluntário continuou de forma online, com uma campanha para arrecadar cestas básicas e produtos de higiene para Instituições que necessitam.  No primeiro momento foram entregues cestas básicas para o CAPS do Hospital de Clínicas.

A AVESOL também lançou o desafio da "Campanha Só a Solidariedade Não Pode PARAR!" (confira aqui o relatório), que ajudou diretamente mais de 18 mil pessoas com distribuição gratuita de máscaras, cestas básicas, materiais de higiene, sabão em barra, protetores faciais e luvas. Mas a Solidariedade não pode parar por aqui!

Nesse sentido, o Programa de Voluntariado da AVESOL novamente está acolhendo pessoas que buscam ser Voluntá[email protected] para colaborar enquanto agentes de transformação, que com a intencionalidade compartilhada, potencializará o trabalho da nossa Rede de Solidariedade (confira o vídeo de agradecimento!)

Se és uma pessoa criativa, decidida, solidária e tens possiblidade de dedicar seu tempo e talento em prol de quem precisa, entre em contato com a gente, pelo telefone 32212318 ou e- mail [email protected]!

Acreditamos que juntos somos mais fortes, e é nesse lugar que nos encontramos.





29 de outubro de 2020

As palavras União, Comunicação, Planejamento e Conhecimento guiaram o último encontro virtual da Rede Ideia, que ocorreu no dia 19 de outubro de 2020, e contou com a participação de artesãs dos empreendimentos solidários assessorados pela AVESOL. As participantes foram expostas a esses quatro conceitos e tiveram a oportunidades de relatar os processos que formaram seus grupos e os percursos que passaram no ano de 2020. Relatos encabulados, amorosos, irritados, extrovertidos, longos ou curtos, porém, todos emocionantes foram compartilhados e debatidos. O que teve de parar, o que se começou, o que se perdeu, o que se ganhou, onde estávamos e onde vamos. Todo processo, na Economia Solidária, vem da União que é guiada pela Comunicação, que, através do Planejamento, chega-se à um resultado que gera o Conhecimento. E esse Conhecimento deve ser compartilhado na União do Grupo, reiniciando o processo, formando assim, um ciclo. De ciclos, é formada a Economia Solidária e de ciclos se formam as ações da AVESOL. Mesmo distantes, estamos unidos em círculos formando ciclos!



O Programa Comunidade Produtiva da AVESOL esteve nos municípios de Giruá, Santo Ângelo, Ijuí, Cruz Alta, Ibirubá, Salto do Jacuí e Tupanciretã, entre os dias 19 e 23/10/2020, assessorando 10 Cooperativas de Catadores que fazem parte da Rede Ideia.Mais uma ação da Campanha “Só a Solidariedade não pode parar” foram distribuídos 200 pares de luvas (EPI’s) e 200 máscaras de proteção as catadoras e catadores. Os encontros com as associações e cooperativas de catadores possibilitou através da escuta contribuir em situações pontuais de demandas dos grupos. Com a devida segurança e os cuidados adotados foi possível apresentar algumas ferramentas de planejamento, contribuindo para organização interna e externa das atividades coletivas.Foi realizado à aplicação de dinâmicas como jornal falado para facilitar a escuta com a participação de todas (os). Para trabalhar temas como comunicação e empatia, foi aplicada a Dinâmica das Emoções, onde cada participante recebeu, como tarefa, uma emoção, da qual, deveria demonstrar ao grupo sem nomear.Através de painéis expositivos foram trabalhados assuntos relacionados ao planejamento de ações buscando responder as dificuldades apresentadas pelo próprio grupo.Apesar das dificuldades socioeconômicas o qual se agravou ainda mais durante a pandemia muitas iniciativas de ações solidárias foram organizadas pelas associações e cooperativas de catadores. As muitas respostas colaborativas que tem surgido para responder aos problemas de ordem econômica ambiental e social aprofundados pela pandemia aponta uma saída, tendo como método ações coletivas.Durante nossos 18 anos de existência como entidade de apoio e fomento à economia solidária temos percorrido e conversado com muitas catadoras e catadores do Rio Grande do Sul e do Brasil, sabemos o quão difícil e duro é a jornada de trabalho destes trabalhadores, por isso nos colamos ao lado das catadoras e catadores na luta para construirmos um Brasil justo e solidário.

Viva a Luta das catadoras e catadores e sua organização! Agradecemos ao acolhimento que recebemos dos grupos


Giruá - COOPERVIDA - Cooperativa de Trabalho Reciclando pela Vida Ltda
Santo Ângelo -Ecos do Verde
Ijui – ACATA Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Ijuí
Cruz Alta - Associação de Trabalhadores Recicladores de Cruz Alta Planalto – ATRECA
Cruz Alta - Associação dos Recicladores do Bairro Primavera de Cruz Alta – AREPRICA
Cruz Alta - Associação de Catadores de Cruz Alta – ACCA
Cruz Alta - Associação de Recicladores de Cruz Alta- ARCA
Ibirubá - Associação de Catadores Cidadania Sustentável
Tupaciretã - Associação dos Recicladores de Tupanciretã "Terra da Mãe de Deus"
Salto do Jacuí - ACA SJ Associação de catador de Salto do Jacuí






 Nem mesmo o frio de setembro de 2020 conseguiu enfriar as relações energéticas e cheias de vida que a AVESOL tem com os Grupos de Economia Solidária. A palavra do mês foi Tempo, e ela norteou os Encontros Virtuais da Rede Ideia que sempre são carregados de compromisso e desejo de luta pela Economia Solidária. A Associação do Voluntariado e da Solidariedade tem consigo os seus conceitos que a norteiam em suas ações, porém, a instituição sabe do dever que ela tem em se manter atualizada com o que ocorre no PRESENTE. É o caso do debate ocorrido no encontro com as cooperativas de Catadores, na qual, as ações políticas de Logística Reversa propostas pela prefeitura da capital gaúcha trouxeram inúmeros temas para a mesa e criaram vários tópicos que foram debatidos. O tempo tomou forma de atividade coletiva no encontro dos Grupos de Economia Solidária de Artesanato e Confecção. Para analisar o PASSADO, foi proposto o exercício da Linha do Tempo, atividade na qual, os grupos presentes tiveram de traçar, guiados por uma linha temporal, a história de cada Grupo, destacando a sua criação, movimentos, aquisições e todo e qualquer ponto importante que deve-se notar. Todos esses debates e diálogos são exercícios para as FUTURAS lutas e movimentos que os Grupos de Economia Solidária farão e a AVESOL quer que tenham certeza que sempre podem contar com a sua assessoria!




7 de outubro de 2020

 No dia 02 de outubro de 2020, tomaram posse Conselheiras e Conselheiros do Conselho Estadual de Direitos Humanos-RS (CEDH-RS), para o período 2020-2023. 

A AVESOL foi reeleita para este importante Conselho de Defesa dos Direitos Humanos, junto com outras 11 instituições que possuem abrangência estadual e/ou nacional na promoção dos direitos humanos: Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), Instituto de Assessoria das Comunidades Remanescentes de Quilombos (IACOREQ), Acesso – Cidadania e Direitos Humanos, Cooperativa Central de Assentamentos do Rio Grande do Sul (COCEARGS), Comissão de Direitos Humanos de Passo Fundo (CDHPF), Fundação Luterana de Diaconia - FLD, Conselho Regional de Psicologia (CRP/RS), Associação de Apoio à Criança e ao Adolescente (Amencar), Nuances – Grupo pela Livre Expressão Sexual, Associação para Grandeza e União de Palmas (Agrupa) e Coletivo Feminino Plural. Será um período de muita luta na defesa e na garantia dos Direitos Humanos! A reunião contou com a participação do secretário de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos do RS, Mauro Luciano Hauschild, que cumprimentou as representações pela posse. Em seguida, foi realizada a 64ª reunião ordinária do CEDH-RS, tendo sido eleita, por unanimidade, a nova mesa diretora para o mandato de 2020-2023. 

A presidência será exercida por Júlio Alt (Acesso Cidadania e Direitos Humanos), para a vice-presidência, Marina Dermann (COCEARGS), e como secretária, Aline Palermo (Defensoria Pública do Estado). Estamos honrados em poder representar os princípios da instituição, como a Promoção da Economia Popular Solidária, a Cultura do Voluntariado e a Defesa e Difusão dos Direitos Humanos neste importante órgão representativo. 




Nada da mais alegria à AVESOL do que ver o reconhecimento recebido pelas irmãs Paula e Stefani que valorizam o seu trabalho e o trabalho da Cooperativa SDV Reciclando, galpão de reciclagem que elas representam. É a valorização [email protected] [email protected], do impacto socioambiental positivo que geram, do empoderamento feminino no trabalhado e a amostra do poder da Economia Solidária e dos frutos que ela gera! É um orgulho acompanhar o trabalho da SDV Reciclagem! Vamos lá gurias!




2 de outubro de 2020

No dia 02/09 de 2020, o Centro de Referência em Direitos Humanos-AVESOL ministrou oficina, por plataforma on-line, sobre Gênero e Sexualidade para jovens e educadoras de mais de uma unidade do Projeto Pescar/RS. 

O Direito Humano à liberdade sexual, o respeito à diversidade e a redução dos riscos inerentes a prática sexual só pode ser garantido com o acesso à informação sobre tais questões.  

Com isso, a oficina tratou sobre sexualidade e questões de gênero, incentivando o debate sobre o assunto que causa muitas dúvidas nos jovens. Quando se abordou a temática da gravidez precoce, muitos jovens apontaram que isso é uma realidade presente em sua vida, tendo muitos deles pessoas conhecidas que passaram por tal situação.  

Debateu-se as principais consequências de uma gravidez precoce e indesejada, como o abandono escolar, pouco cuidado com a saúde do bebê, privação de acesso a melhores oportunidades de estudo e emprego, com a perpetuação do ciclo de pobreza, entre outras questões que foram trazidas pelos jovens.  

Mostrou-se os principais métodos anticonceptivos e a sua eficácia, como as camisinhas masculina e feminina, remédios anticonceptivos e o D.I.U. Ao depois, informou-se sobre as principais IST’s a que podemos estar expostos, ressaltando-se que o Estado do Rio Grande do Sul apresenta um dos maiores índices de contaminação por HIV e sífilis.  

A conversa com os jovens também abordou o tema do consentimento, uma vez que quando não há consentimento em uma relação afetiva/sexual estará havendo uma violência e, muitas vezes, um estupro. Debateu-se, também o tema do gênero e da transexualidade, conscientizando-se os jovens sobre a importância do respeito à diversidade.  

Houve intensa participação dos jovens, os quais puderam expressar suas angústias e dúvidas sobre os temas tratados. Ocorreram questionamentos sobre muitas das questões abordadas, como métodos anticonceptivos, práticas sexuais diversas etc. A turma participou da oficina com bastante atenção, mesmo que a distância, demonstrando grande interesse no tema.  





9 de setembro de 2020

 Série de bonecas colecionáveis visa ajudar famílias impactadas pela pandemia

 A Gang lança em parceria com o Instituto Lins Ferrão, uma série colecionável de bonecas de tecido, feitas de forma artesanal a partir de materiais reaproveitados das marcas do Grupo Lins Ferrão. A confecção das peças foi desenvolvida por um grupo de mulheres em situação de vulnerabilidade social e econômica, integrantes da ONG AVESOL - Associação do Voluntariado e da Solidariedade. A coleção, composta de cinco modelos exclusivos, recebem os nomes de Atitude, Amizade, Otimismo, Energia e Delicadeza para trazer mensagens positivas em tempos de pandemia.

O projeto contou ainda com a parceria da estilista Eduarda Galvani que assina os looks da boneca Delicadeza by Duda Galvani, confeccionados com tecidos do atelier da estilista. Para o desenvolvimento deste trabalho, a marca realizou uma oficina com a designer e colaboradores da Gang, visando a capacitação das costureiras sobre o processo criativo de moda, desde a pesquisa de inspirações, desenho de croquis até a produção de modelagem das peças para a criação dos looks.

 A renda das vendas da Galera do Bem será revertida em doações para a campanha “só a solidariedade não pode parar” da Avesol. “Em um momento delicado como esse, o Instituto Lins Ferrão cumpre com o objetivo de promover a oportunidade de trabalho para as famílias afetadas pelas consequências causadas pelo coronavírus. Esta é a segunda etapa do projeto com as bonecas, criado especialmente para a Gang e com o diferencial de termos essa parceria com a Duda Galvani”, explica a presidente da entidade Fernanda Ferrão.

 “A Galera do Bem é o nosso carinho com os clientes que representam a nossa razão de ser, esperamos que com ela a nossa mensagem de apoio preencha a casa de cada um com muita leveza e otimismo”, completa a diretora-geral da Gang, Ana Luiza Ferrão Cardoso. As bonecas de pano Galera do Bem estão disponíveis para venda exclusiva no site www.gang.com.br pelo preço de R$ 29,90, cada. 

Conheça esta galera

 Atitude é a boneca que leva um sorriso e a mensagem de que as pessoas devem ser quem elas realmente são. É a dose de atitude diária que todo mundo precisa.

 Amizade é a companhia que tem feito falta nesse período, a mensagem dela é de manter os amigos sempre por perto, ainda que à distância. É o presente pra dizer para a amiga ou amigo que nada mudou.

 Otimismo é a boneca criada para levar esperança e lembrar a todos que tudo vai ficar bem. É a boneca para quem quer atrair pensamentos positivos.

 Energia leva com ela um abraço e o lembrete para as pessoas se manterem sempre positivas. É a boneca ideal para quem está precisando de ânimo e energias positivas.

 Delicadeza by Duda Galvani é a boneca com um look desenvolvido pela estilista Eduarda Galvani que através de tecidos de qualidade, sensibilidade e talento, leva a mensagem de romantismo e feminilidade. 

 Sobre o Instituto Lins Ferrão

 Representado pelas empresas do Grupo Lins Ferrão, Gang e Pompéia, surge como uma homenagem ao fundador da Pompéia, Sr. Lins Ferrão, que sempre incentivou a solidariedade e a capacitação das pessoas. Sem fins lucrativos, a instituição busca contribuir para fazer a diferença através da inclusão e da criação de oportunidades. Tem como objetivo promover a igualdade e estimular o empreendedorismo para a geração de renda.

Informações para a imprensa:

Raisa Machado

Assessora de Imprensa

[email protected]

(51) 9 8012-4069 | (11) 949724547




20 de agosto de 2020


Com distanciamento físico e proximidade afetiva, a AVESOL realizou com a Rede Ideia de Catadores, no dia 12 de agosto, uma reunião para matar um pouco das saudades com os catadores que lutam em todos os momentos. A AVESOL sabe dessa luta das cooperativas de catadores que aumentou ainda mais nesse período de pandemia e se solidariza com ela. A pandemia de COVID 19 expos o que já era exposto e a disputa socioambiental da Rede Ideia se mostra ainda maior, mas, a união interna dos galpões e a união entre esses galpões é capaz de resistir aos problemas biológicos e políticos.
Galpões de toda parte do estado participaram e relatos similares surgiram desses lugares. O projeto de conscientização ambiental da população e das estruturas municipais se mostram ainda muito necessários. A separação dos resíduos recicláveis ainda é precária e isso reflete muito no trabalho dos catadores. Apesar disso, a união entre eles, junto com os princípios da Economia Solidária, garante um apoio aos seus cooperativados. Esse apoio não vem só da renda, vem também da ajuda a outras necessidades dos catadores companheiros como recebimento de Equipamentos de Proteção Individual e, em alguns casos, produtos de higiene e cestas básicas. E é nesse ponto que a AVESOL estende seus braços e caminha junto a eles.
O encontro virtual não substitui o encontro presencial e a AVESOL e os seus educadores sociais não veem a hora de poder reencontrar esses companheiros e tomar um bom café e/ou chimarrão e, claro, bater aquela boa prosa!



YouTube

YouTube
Assitir vídeos da AVESOL no canal de YouTube

Notícias arquivadas

Tecnologia do Blogger.

Como Chegar

Principais Contatos

51 3221 2318

avesol@avesol.org.br

Seguidores