13 de novembro de 2019


No dia 18/10 de 2019, o Centro de Referência em Direitos Humanos-AVESOL ministrou oficina sobre Gênero e Sexualidade para profissionais da equipe técnica do CRAS Timbaúva, localizado na Rua Irmão Faustino João, nº 89 - Bairro Rubem Berta, Porto Alegre/RS.
A oficina abordou o Direito Humano à liberdade sexual, o respeito à diversidade e a redução dos riscos inerentes a prática sexual, bem como as aplicações práticas dos Direitos Humanos à liberdade (autodeterminação) e a igualdade, que incluem o respeito à diversidade de gênero e a igualdade de acesso e oportunidades para acessar os bens da vida.  
Iniciou-se discutindo o tema da sexualidade, incentivando-se o debate sobre o assunto. Quando se abordou a temática da gravidez precoce, os técnicos deram muitos relatos sobre a realidade do local, onde há grande índice de gravidez precoce. Debateu-se as principais consequências de uma gravidez precoce e indesejada, como o abandono escolar, pouco cuidado com a saúde do bebe, privação de acesso a melhores oportunidades de estudo e emprego, com a perpetuação do ciclo de pobreza, entre outras questões que foram trazidas pelos técnicos.
Mostrou-se os principais métodos anticonceptivos e a sua eficácia, como as camisinhas masculina e feminina, remédios anticonceptivos e o D.I.U. Os técnicos trouxeram suas experiências pessoais sobre os métodos anticonceptivos e como faziam para garantir uma maior eficácia com cada método.
Referiu-se a omissão de informação sobre o assunto, inclusive nos locais de atendimento à saúde. Apontou-se também que muitas vezes nas consultas médicas, não são informados os efeitos da combinação de outros remédios junto com os métodos anticonceptivos, em especial, a pílula. Ao depois, informou-se sobre as principais IST’s a que podemos estar expostos, ressaltando-se que o Estado do Rio Grande do Sul apresenta um dos maiores índices de contaminação por HIV e sífilis.
A conversa com os técnicos também abordou o tema do consentimento, uma vez que quando não há consentimento em uma relação afetiva/sexual estará havendo uma violência e, muitas vezes, um estupro.
Em seguida, adentrou-se na temática sobre questões de gênero, incentivando o debate sobre o assunto. A conversa esclareceu o que é a identidade de gênero e como esta se relaciona com as percepções sobre os papéis sociais esperados de cada um. Apontou-se a existência de diversas expressões da identidade relacionada ao gênero, apresentando o conceito de transgênero, travesti e outra performances de gênero, como drag-queen ou drag-king, entre outros. Houve uma conscientização sobre a importância do respeito à diversidade.
Neste sentido, referiu-se os dados alarmantes da violência de gênero, que causa a morte de uma mulher a cada 2h no Brasil e um homossexual a cada 28h. Perguntou-se aos técnicos o que eles já tinham ouvido só serem classificados como de determinado gênero, sendo que este reducionismo do papel social esperado conforme o gênero é um dos principais fatores da violência de gênero, pois nega a diversidade e aniquila outras expressões de gênero que não sejam as tradicionais.
Por fim, discutiu-se as conquistas do movimento feminista pela igualdade de gênero, como o direito ao voto, não discriminação no trabalho, etc., bem como problematizou-se a noção vigente de masculinidade, que impõe determinados comportamentos violentos e tóxicos aos homens.  
Houve intensa participação dos técnicos, os quais puderam expressar suas angústias e dúvidas sobre os temas tratados. Ao final, todos disseram ter aproveitado muito a oficina, sendo o tema presente e atual em suas vidas.



Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários com expressões ofensivas serão excluídos.

YouTube

YouTube
Assitir vídeos da AVESOL no canal de YouTube

Notícias arquivadas

Tecnologia do Blogger.

Como Chegar

Principais Contatos

51 3221 2318

[email protected]

Seguidores