4 de julho de 2017

“É impossível voltar para casa sendo a mesma pessoa. Foi tudo muito intenso. Eu fiz o que gostaria de fazer: mergulhar na realidade daquele povo, viver como eles e sentir o que sentem”. É assim que a professora aposentada Rosane Vasques resume o que viveu durante os três meses de voluntariado que realizou na cidade de Lábrea, no Amazonas.

Rosane, de 53 anos, trabalhou durante três anos no Colégio Marista Champagnat, de Porto Alegre, e atualmente é terapeuta familiar. Desde a adolescência cultivava o sonho de realizar voluntariado, porém os compromissos com o trabalho, marido e filhos a levaram a adiar o propósito – mas nunca esquecê-lo.
 Quando decidiu que estava na hora de realizar seu objetivo, foi em busca de informações e conheceu o Programa Voluntariado Marista. Os trâmites de preparação ocorreram rapidamente e, em fevereiro deste ano, ela pode, enfim, embarcar rumo à Região Amazônica. A Comunidade dos Irmãos Maristas em Lábrea fica junto à Escola Estadual Santo Agostinho e, como o ano letivo havia iniciado há poucos dias, foi no colégio que Rosane começou sua atuação voluntária.
 Sua primeira atividade foi organizar a despensa dos alimentos. Depois, ajudou a reativar o laboratório de informática. Como haviam, na escola, alguns professores em licença saúde, Rosane assumiu as aulas de Matemática e Ciências de três turmas do 2º ano do Ensino Fundamental – durante um mês, foi professora de crianças com idades entre 7 e 8 anos. 
 Em paralelo às atividades de sala de aula, propôs a implementação do projeto Dado do Amor. Trata-se de um cubo, em que em cada uma das seis faces são apresentados pontos importantes na arte de amar. A ideia parte da frase conhecida como ‘regra de ouro’: “Não fazer aos outros aquilo que não gostaríamos que fosse feito a nós”. A ideia foi apresentada ao grupo de professores e funcionários da instituição que se desafiaram a adotar a prática entre eles para depois repassar aos estudantes. Além de se envolver com atividades escolares, Rosane também atuou junto à Igreja Católica na cidade. Na Pastoral das Curvas, visitava as comunidades ribeirinhas da região todos os fins de semana. Também auxiliou a fortalecer a Pastoral Familiar que estava sem atividade na paróquia local. Ela, por ser terapeuta familiar, ministrou um curso sobre relacionamentos que reuniu dezenas de casais na igreja.
Para Rosane, todas as atividades foram como que uma semente lançada. “Penso que o dado do amor vai qualificar as relações na escola. Já o curso serviu e vai continuar servindo de incentivo para a Pastoral Familiar. Agora é apostar que essas iniciativas rendam bons frutos”, projeta.
 A voluntária afirma que um de seus maiores aprendizados foi o valor que ela passou a dar aos aspectos da vida. “O povo de lá é muito carente, não tem nem onde reclamar os seus direitos básicos. Aqui a gente tem tudo e ainda reclama. Agora tenho uma nova visão de mundo”, destaca. 

 Segundo ela, o voluntariado é uma vivência extraordinária que deveria ser realizada por todas as pessoas. Por isso, ela planeja fazer outra experiência. “Ainda não sei o local. Mas certamente o destino será onde houver mais necessidade”, garante Rosane.




Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários com expressões ofensivas serão excluídos.

YouTube

YouTube
Assitir vídeos da AVESOL no canal de YouTube

Notícias arquivadas

Tecnologia do Blogger.

Como Chegar

Principais Contatos

51 3221 2318

avesol@avesol.org.br

Seguidores