30 de março de 2020


Recomenda ao Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul que renove todas as medidas protetivas de urgência cujos prazos se encerram durante a suspensão dos prazos processuais previstas nas Resoluções nº 002/2020 e nº 003/2020 do TJRS além de outras providências.
 O CONSELHO ESTADUAL DE DIREITOS HUMANOS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL (CEDH-RS), no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso V, do artigo 9°, da Lei Estadual nº 14.481, de 28 de janeiro de 2014,
CONSIDERANDO que a violência contra as mulheres e meninas é uma dura realidade, sendo as medidas protetivas de urgência, previstas na Lei Federal nº 11.340/2006 (Lei Maria da Penha) garantia de segurança para muitas gaúchas vítimas da violência doméstica e familiar; 
CONSIDERANDO as medidas de isolamento social em razão da pandemia de Covid-19, recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e adotadas pelos governos estadual e municipais, especialmente as que tratam da chamada quarentena domiciliar, indicando que as pessoas não saiam de casa;
CONSIDERANDO que o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul, por meio de sua Resolução nº 002/2020, suspendeu os prazos processuais, administrativos e jurisdicionais na primeira e na segunda instância, por 30 (trinta) dias, podendo ser prorrogada conforme a alteração do quadro de saúde pública;
CONSIDERANDO que este mesmo Tribunal, por meio de sua Resolução nº 003/2020, suspende sessões de julgamentos e audiências entendidas não urgentes pelos/as magistrados/as;
CONSIDERANDO, ainda, que Defensoria Pública, Ministério Público, Fóruns, Delegacias e toda a rede de acolhimento à mulher está atendendo em regime diferenciado, dificultando o acesso das vítimas ao atendimento;
CONSIDERANDO que as medidas protetivas expiram automaticamente caso a vítima não manifeste seu interesse na prorrogação, o que é feito, em sua maioria, presencialmente e que não há garantia de entendimento quanto à sua prorrogação automática por parte dos magistrados;
CONSIDERANDO que os índices de violência doméstica aumentam em períodos de maior convivência familiar, como o isolamento social imposto em razão da pandemia do Covid-19;
CONSIDERANDO que muitas mulheres não possuem meios digitais para enviarem, quando possível, as solicitações de renovação das Medidas Protetivas de Urgência ou buscarem informações nos sites oficiais e por meio dos telefones de plantão dos Foros;
CONSIDERANDO que os processos que tratam das medidas protetivas tramitam em meio físico e que o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul publicou o Ato nº 11/2020-CGJ, determinando que o peticionamento deverá ser obrigatoriamente por meio eletrônico, haja vista o risco de contaminação pelo Covid-19 no contato com papéis;
CONSIDERANDO que a revogação das medidas protetivas coloca a vida de milhares de mulheres em risco;
CONSIDERANDO o Comunicado do Comitê de Especialistas do Mecanismo de Seguimento da Convenção de Belém do Pará (MESECVI), da Organização dos Estados Americanos, que solicita das autoridades a incorporação da perspectiva de gênero nas medidas de prevenção ao Covid-19 e o reforço de ações de prevenção e atenção à violência de gênero; 
CONSIDERANDO, por fim, o disposto na Recomendação CEDH/RS nº 20/2020, que recomenda medidas a respeito da pandemia Covid-19 para várias autoridades dos diversos poderes e à população em geral;
R E C O M E N D A
Ao Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul que 
1) renove todas as medidas protetivas de urgência cujos prazos se encerram durante a suspensão dos prazos processuais previstos nas Resoluções nº 002/2020 e nº 003/2020 do TJRS, como forma de garantir a proteção das mulheres em situação de risco;
2) flexibilize a necessidade de registro policial prévio para a comunicação de eventual descumprimento das Medidas Protetivas de Urgência, observadas as peculiaridades do caso concreto;
3) garanta a observância, nas decisões judiciais, da Recomendação nº 62 do Conselho Nacional de Justiça acerca de medidas de prevenção ao Covid-19, no que tange às ressalvas relativas à privação de liberdade em situações de violência doméstica, conforme o Art. 4, I, c e Art. 8º.

Porto Alegre, 25 de março de 2020.
PAULO CÉSAR CARBONARI
Presidente do CEDH-RS
(Aprovada por meio eletrônico)




Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários com expressões ofensivas serão excluídos.

YouTube

YouTube
Assitir vídeos da AVESOL no canal de YouTube

Notícias arquivadas

Tecnologia do Blogger.

Como Chegar

Principais Contatos

51 3221 2318

a[email protected]

Seguidores