27 de maio de 2020


A importância do trabalho das catadoras e dos catadores de Resíduos Sólidos tem impactos, tanto ambientais quanto sociais, que podem definir a qualidade de vida de trabalhadoras e trabalhadores de uma região. Frase que resume a jornada da presidente da cooperativa de catadores que assume como Vereadora pelo Partidos dos Trabalhadores (PT) da cidade de Giruá, Ilaine Lamb, que conta sua história de trabalho com a catação até a atual posição no legislativo do município que fica à 474 quilômetros de distância da capital gaúcha, Porto Alegre. De origens humildes, ela contou como começou o seu percurso saindo de auxiliar de limpeza, para catadora trabalhando no setor privado até a fundação e trabalho com a Coopervida.
Ilaine começou a trabalhar com Materiais Recicláveis há nove anos. Depois de trabalhar com faxina, ela iniciou sua jornada no setor privado durante dois anos e meio numa empresa que foi comprada pela Cooarlas, tornando-se filial da cooperativa cuja matriz fica na cidade de Canoas. Nessa cooperativa, ela trabalhou por mais três anos. Durante esse período, ela estudou o curso Técnico em Meio Ambiente. A co-vereadora se viu desempregada quando a filial fechou. Durante um longo intervalo, ela não conseguia possuir nenhum tipo de renda para cobrir a sua vida. Foi quando Ilaine volta a procurar seu sustento na catação e, com mais outros dez trabalhadores, fundam a Coopervida - Cooperativa de Trabalho Reciclando pela Vida Ltda. Outras oportunidades, fora do trabalho com Resíduos Sólidos, chegaram para Ilaine, oportunidades que tinham salários mais robustos, mas ela já se encontrava envolvida com a vida dos cooperativados e já percebia a importância do que fazia para o próximo. Sua escolha foi óbvia, ela decidiu ficar.
No início, a sociedade solidária contava com apenas um contrato com a prefeitura para trabalho. Ao longo dos anos, a batalha que iniciou com esse contrato e onze catadores aumentou para oito que atendem não somente Giruá, mas, também, os municípios de São José do Inhacorá, Tuparendi, Santo Cristo, Porto Mauá, Porto Vera Cruz, Sete de Setembro e Santa Rosa. Com o aumento da demanda, mais dezenove cooperativados se uniram ao trabalho da Coopervida. Nos quatro anos de existência, a renda média do trabalhador do empreendimento mais do que dobrou, passando de R$400,00 para R$1.000,00.
Impacto ambiental e social marcam a vida de Ilaine Lamb que entra no mundo da política como co-vereadora com o objetivo de estender essa batalha e marcá-la definitivamente no município. Entre suas propostas, está a de Declarar a Coopervida como Bem de Utilidade Pública da cidade de Giruá e ampliar a educação ambiental no município. No momento atual da pandemia, suas propostas estão esperando pelas ações emergenciais de proteção e contenção do vírus para que possam começar a serem debatidas em plenário. Continuidade que é garantida pelo titular do mandato, o Vereador Milton Rosa pelo PT.
Ilaine Lamb mostra que seu trabalho é imerso em noções de Economia Solidária e cooperativismo e que seu trabalho, junto com o Rede Ideia na AVESOL, geram um impacto ambiental positivo crescente representado pelo aumento de trabalho e área de atuação da Coopervida e um impacto social positivo ao dar visibilidade e orgulho aos catadores e gerar renda a um número crescente de famílias desfavorecidas pela injustiça do sistema. A co-vereadora procura aumentar ainda mais o número de cooperativados. Pois quer que o maior número possível de pessoas possa obter a renda que também ganha volume ao passar do tempo, provando que o trabalho solidário gera frutos e que precisa, urgentemente, o total reconhecimento real de sua importância pela sociedade. Viva as catadoras e catadores como Ilaine Lamb!





Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários com expressões ofensivas serão excluídos.

YouTube

YouTube
Assitir vídeos da AVESOL no canal de YouTube

Notícias arquivadas

Tecnologia do Blogger.

Como Chegar

Principais Contatos

51 3221 2318

[email protected]

Seguidores