18 de dezembro de 2019


No dia 12/11 de 2019, o Centro de Referência em Direitos Humanos-AVESOL ministrou oficina no 3º Congresso de Direitos Humanos e Migrações Forçadas: migrações, xenofobia e transnacionalidade, do Serviço de Assessoria em Direitos Humanos para Imigrantes e Refugiados (SADHIR) da Escola de Direito da PUCRS, participando da mesa de debate intitulada “A atual política migratória do Brasil e os desafios da sociedade civil na acolhida humanitária.” Participaram da mesa de debates Januário Gonçalves (Presidente regional da ONG “África do Coração”) e Bárbara Bruna de Oliveira Simões (Advogada voluntária do GAIRE - Grupo de Assessoria a Imigrantes e Refugiados).
O CRDH/AVESOL realizou a exposição do tema “Migração, Vulnerabilidades e Controle” para uma plateia de cerca de 100 pessoas presentes no Auditório do Prédio 11 da PUCRS, Porto Alegre/RS. Após apresentar aos presentes o trabalho realizado pela AVESOL, que perpassa a Economia Solidária, o Voluntariado e a promoção e garantia de direitos por meio do Centro de Referência em Direitos Humanos, expôs-se as principais questões sobre a atual política migratória no Brasil. Com base nos registros migratórios feitos pela Polícia Federal, apontou-se os números da realidade migratória, que foi intensificada a partir de 2017 com a migração venezuelana.
Em relação ao público imigrante, aduziu-se os direitos fundamentais e sociais (arts. 5 e 6 da Constituição) previstos a todos brasileiros, que também são garantidos aos estrangeiros. Salientou-se a existência da lei 7716/89, que prevê a punição da pratica de racismo, ou seja, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. Ao depois, referiu-se as mudanças no tratamento da migração com a Nova Lei da Migração, Lei 13.445/2017, que revogou o vetusto Estatuto do Estrangeiro de 1980, bem como a manutenção da Lei de Refúgio (Lei 9474-97).
Em seguida, aduziu-se as principais vulnerabilidades identificadas no contexto da migração no Brasil, tais como idioma, falta de informações, moradia, emprego (trabalho), revalidação de diplomas, acesso a serviços de saúde, discriminação (cultura, tradições), burocracia (acesso a serviços básicos) e a falta de referências, principalmente com serviços públicos que mudam constantemente. A oficina serviu para reafirmar o direito humano básico que é o direito à migração.
Por fim, conclui-se que os fenômenos migratórios acabam sendo lócus privilegiado para as tecnologias de controle biométrico serem testadas como mecanismo de controle dos corpos, o que produz diversas violências, principalmente nas fronteiras. Fez-se relação entre a liberdade que tais tecnologias permitem aos cidadãos incluídos na lógica neoliberal de permitir fluidez de mercadorias, enquanto controle, marca e exclui toda uma classe de indesejados e banidos.






Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários com expressões ofensivas serão excluídos.

YouTube

YouTube
Assitir vídeos da AVESOL no canal de YouTube

Notícias arquivadas

Tecnologia do Blogger.

Como Chegar

Principais Contatos

51 3221 2318

[email protected]

Seguidores