15 de junho de 2016

O Centro de Referência em Direitos Humanos (CRDH) da Associação do Voluntariado e da Solidariedade (AVESOL) repudia a conduta do Governo do Estado e da Brigada Militar diante das ocupações de escolas da rede pública e dos protestos realizados pelos estudantes.  São inadmissíveis as ações covardes que as autoridades vêm tomando para persuadir os estudantes ocupantes, como o uso de força policial, intimidação, negativa de diálogo efetivo e a terceirização da repressão, convocando por telefone pais e mães contrários a desocuparem por sua conta as escolas. Tais atitudes ignoram a importância do protagonismo juvenil e do direito de manifestação que vêm sendo expressado pelos estudantes na luta pelo direito fundamental a uma educação plural e de qualidade.
Tal conduta equivocada chegou ao ápice hoje pela manhã: estudantes do Comitê das Escolas Independentes (CEI), contrárias à sinalização de acordo feito pelo Comando dos Estudantes das Ocupações do Rio Grande do Sul com o Governador José Ivo Sartori na última terça-feira (14), ocuparam o prédio da Secretaria Estadual da Fazenda, na Av. Mauá. Sem qualquer mediação, autorização judicial ou mesmo interlocução de advogados(as), em torno de 50 adolescentes foram agredidos e covardemente retirados pelo Batalhão de Operações Especiais da Brigada Militar, detidos e conduzidos ao Departamento Estadual da Criança e do Adolescente (DECA). A polícia usou spray de pimenta e bombas de efeito moral para dispersão dos ocupantes e também na população que apoiava os estudantes na parte de fora, formada por professores, pais, estudantes e municipários. Além disso, já existem relatos de ao menos um jornalista detido e de 10 maiores de idade, que serão conduzidos ao Presídio Central.
Com a ocupação da SEFAZ, os estudantes reivindicavam verba de R$240 milhões para melhorias nas escolas e a retirada definitiva do PL n° 44/2016 e do PL n° 190/2015, que tratam de verdadeira privatização das escolas públicas e da impossibilidade de discussões críticas por conta do movimento “Escola sem Partido”.
Há mais de um mês os estudantes vem ocupando as escolas por melhorias na educação e em apoio a greve dos professores. O governo de Estado levou mais de 20 dias para começar um diálogo, apresentando propostas incoerentes com as necessidades das escolas. Ofereceu R$40 milhões para melhorias - equivalentes a dezesseis mil reais para cada escola - e o adiamento da votação do PL nº 44/2016 para o ano que vem, mas sem desistir ou debater melhor com a sociedade. O descaso do Governo com nossas crianças e adolescentes nos provoca profunda indignação: não é possível que Secretários de Governo e o próprio Governador prefiram o uso da força ao invés do diálogo efetivo e democrático.
O Centro de Referência em Direitos Humanos acredita no protagonismo infanto-juvenil e defende a participação dos jovens em todos os espaços, discussões e desenvolvimento de políticas que se refiram a eles. Também vê como justos e legais os protestos dos estudantes secundaristas por melhorias na educação. Com isso, o CRDH exige que as autoridades competentes retomem imediatamente o diálogo efetivo com os estudantes, a fim de encontrarem soluções conjuntas para os problemas enfrentados nas escolas.


Centro de Referência em Direitos Humanos - AVESOL


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários com expressões ofensivas serão excluídos.

YouTube

YouTube
Assitir vídeos da AVESOL no canal de YouTube

Notícias arquivadas

Tecnologia do Blogger.

Como Chegar

Principais Contatos

51 3221 2318

avesol@avesol.org.br

Seguidores