quarta-feira, 11 de maio de 2022

Trabalho voluntário também é uma superação de barreiras de naturezas distintas para uma educação inclusiva de pessoas com deficiência intelectual.

O Programa de Voluntariado da AVESOL realizou no dia 05/05/2022 uma vista a APAE Porto Alegre, para conhecer uma de suas unidades e estreitar os vínculos e a parceria.

A APAE é um Centro de Referência na prestação de serviços em defesa do direito da pessoa com deficiência intelectual e múltipla e transtorno do espectro autista (TEA).

Uma de suas Unidades se localiza no Bairro Glória, em Porto Alegre, atendendo mais de 134 crianças e jovens.

Agradecemos a acolhida pela Joseane Câncio de Souza, Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisa da APAE Porto Alegre, estamos confiantes que a parceria se solidificará.




Na tarde do dia 27/04/2022, a AVESOL participou, no auditório da FETRAFI, em Porto Alegre/RS, do Fórum Social das Resistências com a temática “Economia Solidária: outro modo de viver é possível”. O evento contou com a presença de 100 pessoas de vários movimentos sociais e dos grupos de economia popular solidária do Estado de Rio Grande do Sul e de outros estados, o evento teve apoio de várias entidades que também se fizeram presente como: Fundação Luterana, Unisol, Camp e Avesol.  Nelsa Nespolo, coordenadora da mesa, acolheu a todos e todas e falou da importância de acreditar no outro mundo possível com outra forma de produzir, comercializar e consumir. A mesa de debate contou com a presença de Márcio Pochmann (economista), Maria Tugira (catadora integrante do MNCR), Amarildo Cenci (CUT) e Suziane Gutbier (FBES).

Maria Tugira destacou que o futuro do país está nas mãos dos trabalhadores e trabalhadoras, temos que nos unir numa só voz, numa só caminhada para vencer esse monstro e o desmontes dos nossos direitos.  Suziane Gutbier falou do contexto histórico da economia popular solidária no país, a construção das políticas públicas para economia popular solidária e sua importância, estamos ao lado da esperança, da vida e não da morte. Amarildo Cenci em sua fala disse   que aprenderam muito com as pessoas da economia popular  que  o desafio da pandemia se faz necessário ir além das pautas das carteiras assinadas dos trabalhadores trabalhadoras, mencionou ainda “Só poderemos resistir se construirmos um tecido nos modelos cultural e político para garantir um mundo de paz, civilizado, sustentável e inclusivo”. Marcio Pochmann professor, economista e pesquisador, frisou que índios, negros e negras foram excluídos pelo capitalismo caracterizado pelas mãos dos brancos, ressaltou dizendo que a   pauta do mundo do trabalho não é só de quem trabalha fora de casa, mas de dentro de casa, a extensão intensificou o trabalho e a exploração do trabalho. No seu entendimento, a Economia Solidária ganha um novo lugar e que não é só uma reação, um pronto-socorro uma vez que o capitalismo não tem respostas a não ser para os seus. Precisamos construir uma outra utopia a centralidade do trabalho dentro e fora de casa preciso superar o medo de ousar e lutar para que a economia seja subordinada à política, finalizou sua fala dizendo que a vida é curta, mas não pode ser pequena nas nossas realizações.

A presidente da mesa Nelsa agradeceu pela presença de todos e todas, pediu para todos os presentes falar em voz alta, “somos economia popular solidária que ousa resistir e lutar”.




O grupo Ames recebeu a educadora Franqueana para um bate papo sobre a realidade e necessidades do grupo. Precisamos trabalhar na coletividade para florescer e frutificar o que nós como grupo produzimos. O grupo alegou relações mais solidárias entre os grupos de empreendimentos de Economia popular solidaria, precisamos nos ajudar mutualmente, o trabalho feito na coletividade tem a postura de caminhante capaz de construir cooperação entre iguais sem competitividade ou exploração sobre a outra (o) onde todos façam acontecer o desenvolvimento sustentável e solidário baseada na organização coletiva de todas e todos.  

A REDE IDEIA, articula e integra os grupos de   Economia Popular Solidária, na construção de alternativas que gerem processos coletivos e autogestionários, sendo assim um   instrumento de ampliação da consciência crítica e de fomento à participação cidadã. A busca por uma sociedade justa e igualitária, com a garantia de direitos para todos e todas, são o fermento da massa da luta da transformação social dos grupos de Economia Popular Solidária.  






terça-feira, 10 de maio de 2022

O Voluntariado Hospitalar é uma participação ativa, que tem uma ação responsável e humana, no sentido de promover a qualidade do acolhimento, promovendo o conforto aos pacientes e familiares.

Devido a COVID 19 e seus protocolos, os   nove (9) Projetos do voluntariado no Hospital São Lucas da PUCRS  não ocorreu durante dois anos, deixando  uma lacuna em quem recebia o carinho e atenção dos voluntá[email protected]

Contudo, no dia 29 de abril de 2022 no anfiteatro Irmão José Otão do Hospital São Lucas (HSL) aconteceu o Encontro Mochila Aberta, recepção e formação dos [email protected] voluntá[email protected] encaminhados pela AVESOL e pela PUCRS.

Nesse momento, ainda com os cuidados em função da pandemia, apenas três projetos estarão acontecendo: Espiritualidade, Histórias de vida e Voluntá[email protected] Acolhedores.

O momento foi de muita emoção,  partilha e escolha  dos projetos para o início da caminhada do voluntariado no hospital.

Desejamos a [email protected] os voluntá[email protected] uma caminhada de aprendizado, transformação e principalmente Solidariedade.



 

sexta-feira, 6 de maio de 2022

A Solidariedade é uma conduta que deve ser adotada para bom convívio social em uma sociedade que acredita em uma justiça social.

Parceira da AVESOL, a Associação de Psiquiatria do RS (APRS) em mais uma Ação Social, fez a doação de 35 cestas básicas para serem doadas a Instituições parceiras do Programa de Voluntariado.

Foram duas Instituições contempladas no momento, Aldeia da Fraternidade e Via Vida Pró doações e transplantes.

Ser solidário é uma prática que sensibiliza um grupo gerando uma cooperação entre pessoas.

Agradecemos a APRS e seus associados por estarem engajados em uma justiça social e humana.




O trabalho voluntário com crianças é uma grande oportunidade para ensinar e se abrir, pois é uma importante ferramenta de formação de cidadãos e cidadãs mais conscientes e o voluntá[email protected] se coloca como observador de suas próprias ações.

No dia 28 de abril de 2022 o Programa de Voluntariado da AVESOL realizou uma visita a Escola de Educação Infantil São Guilherme, para fortalecer os vínculos.

A Escola se localiza no bairro Partenon em Porto Alegre e tem como  sua missão “Educar para o Amanhã”, onde funciona a educação infantil atendendo mais de 100 crianças.

Agradecemos a acolhida pela Sra. Juçara, Diretora e pela Coordenadora Pedagógica Sra. Liane pela acolhida, pelos momentos de troca de experiências e tendo a certeza da força e da parceria no trabalho voluntário.




quarta-feira, 4 de maio de 2022

Quando um voluntá[email protected] se aproxima da realidade da escola, ele passa a entender melhor o contexto, se tornando uma pessoa engajada na luta pela educação de qualidade.

Nessa perspectiva atividades de voluntariado em escolas podem ajudar a fortalecer os vínculos com a comunidade, expandido aprendizado e principalmente agregando experiencias.

Nesse sentido o Programa de Voluntariado da AVESOL realizou uma visita na Escola Estadual de Ensino Fundamental Vera Cruz, localizada no Bairro Gloria em Porto Alegre,  que atende jovens ensino fundamental até nono ano, e hoje esta com mais de 200 alunos.

 Agradecemos as professoras Elaine Bitencourt e Fernanda R. Groth pela acolhida, acreditando que o voluntariado educativo é essencial para os jovens a se relacionarem melhor, a respeitarem as diferenças e viverem a diversidade e a promoção da solidariedade.




domingo, 1 de maio de 2022

 O dia 1º de maio é o Dia Internacional dos Trabalhadores. A data homenageia a luta do movimento trabalhista ao redor do mundo por melhores condições de trabalho. Sua origem remonta aos episódios que ocorreram em 1886, em Chicago, nos Estados Unidos, quando trabalhadores iniciaram uma greve que buscava, sobretudo, reduzir a jornada de trabalho, que chegava há 17h por dia, para oito horas diárias. A greve começou no dia 1º de maio e mobilizou mais de 300 mil trabalhadores, organizados por anarquistas e socialistas. No Brasil, a luta pelos direitos dos trabalhadores está muito ligada aos imigrantes pobres europeus que aqui chegaram no início do século XX e organizaram grandes greves em busca de melhores condições de trabalho, como as de 1917, em São Paulo, e as de 1919, no Rio de Janeiro. Em 1925, a data passou a ser feriado nacional, em medida sancionada pelo governo do presidente Arthur Bernardes. Nas décadas de 1930 e 1940, o 1º de maio foi o feriado escolhido pelo presidente Getúlio Vargas para anunciar leis de proteção ao trabalho, negociadas com os trabalhadores. No contexto atual de desmonte das políticas de proteção às trabalhadoras e trabalhadores, retomar a tradição altamente politizada e de lutas da data é imprescindível. O dia é mais de lutas que de comemorações. O trabalhador brasileiro está sob ataque. O ministro Paulo Guedes, com sua política neoliberal, declarou que um dos “problemas do Brasil era o desejo dos brasileiros de viver 100 anos”, o que acabava onerando o Estado. Para ele, considerado por muitos brasileiros como “inimigo da classe trabalhadora”, política de bem-estar social e proteção ao trabalho são propostas subversivas que devem ser refutadas. Isso apenas traz à tona as falácias de proteção aos trabalhadores do atual governo federal. O trabalhador brasileiro passa fome, empurrado para a informalidade e esmagado pela inflação. Vemos a volta do trabalho infantil nas ruas e a exploração da mão de obra imigrante e precarizada. Mulheres (mães, em sua maioria), trabalhadores rurais e autônomos são colocados como arrimo para os privilégios das elites, que lucram cada vez mais com a alta dos juros. No contexto da Pandemia de Covid-19, os problemas se agudizaram e evidenciaram ainda mais as desigualdades sociais já bem acentuadas no país. Assim, o CRDH/AVESOL nesta data de luta reforça a importância do fomento da Economia Popular Solidária para a promoção de direitos no contexto das relações de trabalho. Solidariedade, sustentabilidade e troca justa movem as Redes de Economia Popular Solidária com potencial de mostrar o caminho da dignidade no trabalho para quem luta por um mundo mais justo e solidário, promovendo dignidade humana e direitos humanos de forma integral e não excludente. Lutamos para as trabalhadoras e trabalhadores do passado nos inspirem no presente e sejam fontes de iluminação para um futuro de justiça social e igualdade, ousando a vida com esperança.

 

Porto Alegre, 1º de maio de 2022.

 


quinta-feira, 28 de abril de 2022

Na manhã dia 27/04/2022, a AVESOL se reuniu com as Gerências Educacional, Social e Pastoral da Província Marista Sul Amazônica com intuito de alinhar e fortalecer a caminhada em conjunto. Inicialmente os Programas e Projetos da AVESOL foram apresentados, pontuando ações que já acontecem em parceria com a Rede Marista e a potência dessas articulações. Surgiram diversas sugestões e ideias que entrelaçam ainda mais a parceria entre as Instituições, como: avaliar a retiradas dos resíduos recicláveis das Unidades Maristas; Feiras da Cidadania; importância do objetivo em comum enquanto Voluntariado Educativo, entre outras. O diálogo permanecerá aberto para o alinhamento e combinações mais específicas. Contudo, mais uma vez tivemos a certeza de que esse encontro é fundamental para “Ousarmos a Vida com Esperança”, por um mundo mais fraterno, solidário e justo.




terça-feira, 26 de abril de 2022

O grupo Mãos de Fadas, tiveram um momento de encontro, entrosamento e muita partilha com a educadora Franqueana do Comunidade Produtiva Rede Ideia – AVESOL. Conforme suas necessidades, partilharam os desafios da caminhada e sonhos do grupo, trouxeram muitas questões peculiares que necessitam um olhar mais atento. Portanto, de modo geral, precisamos crescer coletivamente na caminhada diária, sendo assim podemos contribuir para um trabalho mais cooperado e que garanta dignidade e qualidade de vida a todos os componentes.  

Precisamos crescer na persistência ter mais comprometimento e assumir as lutas de resistências da REDE IDEIA, ter uma atenção especial com a casa comum. Estamos comprometidas com a sobrevivência da nossa casa comum. “Não estamos envolvidos com a ideia de produzir e vender, mas do cuidar, cuidar da nossa casa comum”, disse uma componente do grupo.   

Para nós que atuamos com Economia Popular Solidária, a gente fala de espiritualidade e não é de qualquer espiritualidade, nós REDE IDEIA falamos de uma espiritualidade de libertação, onde possamos ter compromisso de contribuir ativamente para construção de um mundo e futuro melhor para todos.  






O CRDH/AVESOL realizou ação em defesa dos galpões de reciclagem de Porto Alegre/RS contra a criminalização de suas atividades nos dias 11 e 19 de abril de 2022. Isto porque, devido a ausência de comunicação efetiva entre os órgãos do Estado responsáveis pela regularização dos espaços de trabalho de milhares de pessoas no município que são os verdadeiros profetas da ecologia em prol do meio ambiente, houve autuações indevidas por parte da Brigada Militar Ambiental, apontando a falta de regularização ambiental do galpão da Associação Comunitária de Mulheres na Luta – Anitas, localizado na Rua Voluntários da Pátria, 4201, em Porto Alegre/RS. 

Em reunião com as lideranças do galpão, levantamos o histórico de lutas das mulheres do galpão em prol da total regularização do seu trabalho. Veja-se que o próprio município de Porto Alegre reconhece o trabalho feito no local, conveniando o galpão para receber resíduos da Coleta Seletiva. Ainda, o galpão possui alvará de plano de proteção contra incêndio válido, expedido pelo Corpo de Bombeiros. Explicamos que a autuação feita pela Brigada era um crime de menor potencial ofensivo e decorria de um problema histórico que jamais foi resolvido pelo município: a regularização urbanística e ambiental dos galpões de reciclagem da Capital gaúcha.  

Ora, desde 2018 tramita na Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Porto Alegre o processo para obtenção da licença ambiental do galpão das Anitas. Porém, como o plano diretor do município não permitia o funcionamento do galpão no local, este processo estava inviabilizado. Foi apenas no final de 2021 que houve alteração no plano diretor para possibilitar a regularização do galpão das Anitas e outros na mesma situação em Porto Alegre/RS. 

Assim, juntou-se documentos ao processo judicial para pedir a devida absolvição das trabalhadoras do galpão, pois impossível sua condenação por fato ao qual fizeram o possível para resolver e que na verdade é estimulado e permitido pela Política Nacional dos Resíduos Sólidos (Lei nº 12.305/10) e pelo recente Plano Nacional dos Resíduos Sólidos (Decreto nº 10.936/22), não podendo ser punidos por algo que o ordenamento jurídico incentiva, que é a contratação preferencial de cooperativas e associações de reciclagem para que façam a destinação final e correta dos resíduos produzidos no município.  

Não por outro motivo, o CRDH/AVESOL, representando o galpão na audiência judicial, conseguiu o devido pedido de arquivamento do processo pela Promotoria, o que foi acolhido pelo Juiz. Espera-se, com isso, que haja maior interlocução entre os entes do Estado incumbidos da fiscalização ambiental, pois não pode, por um lado o município incentivar e financiar uma atividade e, por outro, não promover condições para a sua regularização, deixando brechas para a atuação punitiva do Estado sobre aqueles que não têm poder para solucionar a questão. Senão ficaremos eternamente presos aquela velha máxima: a lei é como a serpente, só pica aos descalços.  




quarta-feira, 20 de abril de 2022

O Trabalho Voluntário é feito de troca de pessoa para pessoa, oportunizando amizades,  vivências de novas experiências e principalmente de outras realidades.

Nesse sentido o Programa de Voluntariado da AVESOL realizou uma visita a Associação Comunitária Campo da Tuca, parceira do Programa há muitos anos.

A Associação Campo da Tuca se localiza no Bairro Partenon, no Campo da Tuca, e  atende crianças, jovens e grupo de idosos e tem por finalidade lutar pelo bem comum em todos os seus aspectos com prioridade para os assuntos referentes a Cultura, Educação e Assistência Social.

Agradecemos a acolhida pela Sra. Leci, colaboradora da Instituição, sempre almejando parcerias para [email protected] formar uma rede de solidariedade.

Sempre lembrando, que Voluntariado é uma via de mão dupla, pois é uma relação humana, solidária e satisfação de contribuir com a sociedade.




segunda-feira, 18 de abril de 2022

Mesmo nas horas mais difíceis a leveza de um palhaço pode fazer toda diferença.

No dia 14 de abril de 2022, aconteceu a formatura dos 14  [email protected] [email protected], que depois de mais de um mês de treinamento diário, receberam seu “jaleco”, podendo assim, começar seu trabalho voluntário nos hospitais parceiros, com responsabilidade comprometimento e alegria.

Foram momentos de puro encantamento, leveza e muitos risos, proporcionando ao público que prestigiou a cerimônia, mostrando a importância do trabalho que realizam.

Desejamos uma caminhada de crescimento a [email protected], pois a palhaçaria  leva a esperança o carinho,  humanizando o ambiente hospitalar e ajudando também no processo de cura.



Na tarde do dia do dia 07 de abril a cooperativa Mãos Amigas situada no bairro Rubem Berta – Porto Alegre/RS, recebeu a visita da educadora Franqueana Gomes. A coordenadora Gladis, afirma que nos últimos tempos a cooperativa tem sido bem beneficiada com algumas demandas de costuras e serigrafia que é o carro forte da cooperativa, “hoje somos 4 integrantes do grupo que com muita luta e garra ganhamos experiências que nos deu um sentido diferente do nosso espaço de produção de trabalho, passamos a ter um compromisso com um processo de construção do trabalho coletivo alicerçado nos valores da autogestão, da democracia, cooperação e da solidariedade”.  

“A rede de empreendimentos solidários Ideia, sempre caminhando conosco, nos desafiando muitas vezes, mas fazendo nós assumir os desafios do dia a dia e torná-los realidade, essa parceria nos possibilita aproximação com outras entidades parceiras no desenvolvimento de uma economia criativa e colaborativa gerando renda para quem precisa, o trabalho desenvolvido em grupos gera afetividade e a cultura da coletividade valores que não tem preço no trabalho associado”, afirma Gladis.  






quarta-feira, 13 de abril de 2022

 Aconteceu na sede da Avesol a reunião mensal da Rede Ideia, com a participação de 28 pessoas de 22 grupos presentes. A tarde foi iniciada com acolhida de todos e apresentação em especial aos grupos novos incluindo A Mútua, Rede de Reciprocidade que trabalha com alimentos orgânicos e agroecológicos. Educadora Franqueana conduziu a mística com o texto: Páscoa, Lado Avesso da Pele de Frei Betto, seu Carlos Eroni, fez a leitura do texto e os demais, deram sua contribuição na reflexão do texto. O lado avesso da apele anseia fluir por todo o corpo, bem propicio para os dias de hoje, O que nus anseia? O que queremos ressuscitar em nós? Justiça, paz, igualdade, solidariedade o compromisso com a vida de todos e sabermos exercer a gratidão como prática cotidiana.  

A coordenadora Daniela falou da VI Plenária e a importância de discutir o documento orientador enquanto Rede. Vale destacar como foram as participações nas plenárias estaduais, em especial da forte presença da REDE IDEIA quem participa da plenária são os movimentos sociais: movimentos feministas, da agricultura familiar e da reforma agrária, os movimentos de catadores, indígenas, cultura e educação popular, pescadores, sindical, quilombolas, agroecologia, moradia, pastorais, juventude, LGB etc. Será necessário ousar, nesse avanço, para que as intenções de inovação imaginadas radicalizem a ideia de que a economia solidária não é apenas a soma de empreendimentos isolados, mas de redes estruturadas horizontalmente, redes de diferentes fins e especificações corporativas que juntas constroem e fortalecem o movimento. Douglas sugeriu enviar novamente documento da rede resumido para os grupos lerem e em um outro momento acontecer   uma plenária maior de debate e discursão do documento.  

Devido o índice de integrantes novos nos grupos e a pedido deles, Douglas, deu sua contribuição na reunião mensal da REDE IDEIA, falando sobre Análise de Sustentabilidade da Economia Popular Solidaria na dimensão econômica, para identificar aspetos de modelos de negócios sustentáveis em empreendimento de Economia Solidaria, foi feito um estudo de caso exploratório caracterizando valores, criação de valor e sistema de entrega   de valor sustentável. A aplicação contribui para o entendimento modelo de negócios na prática solidaria. 

Seguimos nossa atuação buscando alternativas de como aplicar a sustentabilidade na sua prática cotidiana e refletir sobre as práticas que queremos aplicar no dia a dia do empreendimento. Encerramos a reunião com entrega de doações destinada aos grupos.    





terça-feira, 12 de abril de 2022

 A Cooperativa Habitacional do Trabalho 20 de Novembro, desenvolve um trabalho coletivo com mulheres e homens que fortalece o novo modelo de desenvolvimento que crie formas de ralações econômicas e de trabalho com base nos princípios da cooperação, da autogestão e da solidariedade. Envolve grupos coletivos organizados sob forma de autogestão que realizam atividades de produção de bens e de serviços, crédito e finanças solidárias, trocas, comércio e consumo solidário. Portanto, apropriar-se adequadamente do desenvolvimento sustentável por estratégias territoriais, tendo o território como ponto de partida, em contextos tão adversos quantos os tempos de agora. 

Os desafios que estão postos aos empreendimentos de Economia Solidária são a inclusão de grupos sociais excluídos do mundo do trabalho, esses empreendimentos coletivos estão direcionados, para a organização de pequenas redes produtivas e populares, cuja motivação inicial está relacionada ao aumento da renda familiar. Esses empreendimentos enfrentam desafios, como qualquer outra atividade, porém, através da união de seus integrantes, em torno de objetivos comuns, as experiências que integram a Economia Popular Solidária conseguem constituir-se como alternativa para a melhoria da qualidade de vida dos grupos envolvidos. A REDE IDEIA, fortalecer as instâncias participativas (como conselhos, fóruns etc.) para que os próprios atores também possam participar e ter voz na construção de políticas efetivas para fortalecer suas atividades.   A nosso lutar pela garantia e promoção dos direitos humanos, nos quais estão inseridos os direitos civis, sociais, econômicos e culturais é todo os dias, fala de uma companheira do grupo.  

 




sexta-feira, 8 de abril de 2022

O trabalho voluntário é composto de ações de interesse social e comunitário em que toda atividade que se desempenha vai reverter em favor do serviço, sempre contribuindo para um mundo mais justo e solidário.

Para firmar mais uma parceria o Programa de Voluntariado da AVESOL realizou uma visita ao Centro Ítalo Brasileiro de Assistência e Instruções as Migrações- CIBAI, que se localiza na Rua Barros Cassal, Centro, em Porto Alegre RS.

Fundado em 1958 pelos missionários de São Carlos, Scalabrinianos, é uma entidade que dá assistência e promove a vida dos imigrantes, no que tange a defesa e garantias de direito, com enfoque na inserção laboral e social.

Agradecemos ao Padre Anderson, Coordenador da entidade e a colaboradora Lara pela acolhida, acreditando que a parceria e as redes se fortalecem  para construção de uma sociedade mais solidária.




quarta-feira, 6 de abril de 2022

Visitando uma integrante do grupo Casa de Santo, ela afirma que “a Economia Popular Solidária é um trabalho que ajuda o nosso Ilê, eu faço vários tipos de artesanato: bonecas de meia, bonecas de lã, também uso os jeans para fazer bolsas, blusas e vários tipos de coisas eu mesma vou personalizando.   O que me faz muito feliz é trabalharmos todas juntas, cada uma faz um tipo de coisa, que buscamos valorizar as práticas culturais geradoras de coletivos. As mulheres que com seu espírito solidário e resistente teimosia, constroem nos seus territórios o envolvimento e o empoderamento das pessoas inseridas nos empreendimentos de economia popular solidária”.

No atual cenário de políticas econômicas liberais que provocam erosão do salário-mínimo e a retirada dos direitos sociais, a exclusão social se acentua, é fundamental fortalecer empreendimentos que atuam na economia popular solidária, esse caminho possibilita o processo de dignificação de cada pessoa a partir da ação coletiva, criando uma resistência necessária a precarização do trabalho, e assim ocorra a cooperação entre iguais, sem competitividade ou exploração sobre a outra e outro.

“Para nós, mulheres de terreiro, este apoio da REDE IDEIA foi de extrema importância, porque salvou mulheres que estavam isoladas em suas casas, com uma série de sofrimentos humanos, e que hoje estão superadas através da inserção social, empoderando-as nos diversos aspectos da vida.  Para nós isto é uma vitória.” revela Ceir ainda, coordenadora do grupo Casa de Santo.



 

terça-feira, 5 de abril de 2022

O Artesanato é uma expressão da diversidade cultural do nosso país caracterizada pela criatividade dos artesãos e artistas populares, os materiais utilizados e as técnicas empregadas na confecção dos produtos artesanais, traduzem a sua identidade e a riqueza da sua cultura. Economia Popular Solidária serve o ser humano, valoriza os laços afetivos e solidários, agrega todas e todos que deseja uma oportunidade para trabalhar e conviver cooperativamente é uma contradição ao modelo de produção dominante.

O grupo trabalha por processos, a cada dia, uma das etapas é cumprida pelas componentes do grupo: corte das roupas, do corpo, costura e demais passos. Os insumos utilizados são, em sua maioria, tecidos de malha, tricoline, retalhos, fibra de silicone, lã e missangas. O grupo falou da importância de um espaço para comercialização dos produtos, como também uma vitrine para expor o trabalho que realizam. A fabricação de bonecas é um processo de arte educação onde trabalha o resgate da diversidade da cultura popular que é representada através do artesanato.

REDE IDEIA, busca estratégias de desenvolvimento territorial, sustentável e solidário fundamentada na organização coletiva de trabalhadoras e trabalhadores dos grupos parceiros com interesse de melhorar a qualidade de vida por meio das relações de trabalho, através de associações, cooperativas, redes ou mesmo em grupos informais. A REDE IDEIA busca maneiras de combater as desigualdades do atual sistema econômico, pautado no envolvimento das pessoas em prol do Bem Viver.




segunda-feira, 4 de abril de 2022

 “Cada um tem a idade do seu coração, da sua experiência e de sua fé”. (George Sand)

 Acreditando sempre em um mundo mais justo e solidário, o Programa de Voluntariado da AVESOL realizou uma visita ao Clube de Mães Aparecida, no Campo da Tuca, para estreitar os laços e assinatura do Termo de Convênio 2022/2023.

A Instituição atende as crianças no turno inverso da escola, acolhendo as crianças cujos pais passam o dia no seu trabalho.  Com sua Presidente, Maria Trindade, as crianças têm o acolhimento necessário, e através de uma voluntária, tem atividades lúdicas, alfabetização e muito carinho.

Agradecemos a acolhida e a alegria de estar com as crianças atendidas, e juntos seguimos na caminhada de um mundo melhor.



 A economia solidária tem desenhado um novo rumo de desenvolvimento através do envolvimento e comprometimento das pessoas em seu território, na valorização da sua identidade e do seu saber com os princípios solidários e cooperativos viabilizando a geração de renda, mas principalmente a valorização do ser humano na sua centralidade. O grupo Li Variedades, tem percorrido uma trajetória de agregar pessoas que constrói uma economia criativa com artesanato, a interação com o grupo foi de conhecimento e aprendizado mútuo. Uma das componentes do grupo falou que a   palavra lixo costuma ser usada de modo equivocado. A maior parte dos materiais que chamamos de lixo são resíduos que podem ser reutilizados ou reciclado: “eu aproveito tudo, gosto do que faço e fico feliz quando vejo artesã realizado com a sua profissão, eu me sinto feliz com o que faço e transmito através do meu trabalho na economia popular solidária. A gente não só comercializa com também acolhemos as pessoas assim como ela vem ao nosso encontro, transmitirmos paz, solidariedade e calor humano”.

Sonhamos com um espaço da REDE IDEIA numa praça de Porto Alegre, para expor nosso material, temos que nos reconhecer e identificarmos como Rede Ideia, ou seja, vestimos a camiseta de verdade. O grupo deu sugestão de locais com a possibilidade de fazer acontecer a feira com identidade REDE IDEIA, lugares estes: Praça Piratini no bairro Santana, Redenção e Praça dos Açorianos ou Lago dos Açorianos. 

“Não podemos ficar no comodismo, temos que valorizar mais a REDE IDEIA que é   uma ferramenta de mobilização que favorecer o desenvolvimento comunitário através do protagonismo cidadão, estimulando a cooperação e o empreendedorismo, ampliando ações solidárias que ajudam garantir a participação social e econômica dos grupos”, disse Eliane.





quarta-feira, 30 de março de 2022

Na tarde do dia 25 de março, a educadora Franqueana visitou o grupo de mulheres da Paróquia Santa Clara situada na Lomba do Pinheiro – Porto Alegre/ RS. O grupo retornando suas atividades, com muita coragem, esperança e audácia para enfrentar o ano de 2022 na produção de artesanatos e construções inovadora na gastronomia. A Paróquia Santa Clara sede um espaço destinado à exposição e venda dos produtos confeccionados pelas mulheres cadastrada no programa de cestas básica da própria Paróquia. O grupo tem como o objetivo ser um lugar de encontro, troca de experiências, conhecimento e partilha de vida.  

A AVESOL destinou uma batedeira planetária para o grupo através do projeto Desenvolvendo o Campo e a Cidade com Economia Solidária, Termo de Fomento 902094/2020, celebrado entre AVESOL e Ministério da Cidadania. Esse projeto articulado por meio de emenda parlamentar do Deputado Federal Marcon. 
Com uma diversidade de artesanatos e alimentos, o grupo apresenta uma nova proposta de geração de renda, baseada em princípios que não exploram o trabalhador, não visa exclusivamente o lucro e defende a vida da pessoa e do planeta acima de tudo.  O grupo faz parte da Rede Ideia, em que a formação oferecida, além de ser um diferencial para o seu processo de geração de renda, os apoia para seu processo de incidência política e transformação social, construindo novos caminhos para uma economia mais justa e inclusiva. 




No dia 29 de março de 2022, o Programa de Voluntariado da AVESOL realizou uma visita ao Centro Social Marista Nossa Senhora Aparecida das Águas, para estreitar os vínculos e verificar demandas para o Voluntariado.

O Centro Social se localiza na Ilha Grande dos Marinheiros, bairro Arquipélago, e ele é comprometido coma a formação humana e transformação social, e promoção de um espaço preventivo e inclusivo, por meio de atividades pedagógicas, atividades físicas, criativas por meio do protagonismo, autonomia e vivência para a vida.

Agradecemos a acolhida pelo Irmão Matheus, responsável pelo Centro Social, assim como os demais colaboradores, que realizam um belo trabalho com as crianças atendidas por ele.




terça-feira, 29 de março de 2022

 Foi entregue para o grupo de catadoras e catadores do Unidade de Triagem Renascer de Canoas/RS pares de luvas para usarem em seu trabalho. Em poucas palavras, a coordenadora Michele disse que o trabalho é árduo e que luta pelo reconhecimento e valorização do trabalho. Catadoras e catadores de materiais recicláveis geralmente não são legalmente reconhecidos como trabalhadoras e trabalhadores e sofrem com as condições precárias de trabalho e sem a adequada proteção social, por isso nossa luta é constante por acesso aos direitos sociais e a pratica de políticas de inclusão produtiva.  

O trabalho desempenhado pelas cooperativas de reciclagem é uma ação transformadora que viabiliza uma ação transformadora de valorização da vida humana e do meio ambiente. As cooperativas de catadoras e catadores prestam serviço ambiental, assegurando que o equilíbrio ecológico seja garantido, evitando danos ambientais, gerando o aproveitamento de resíduos sólidos e economia dos recursos naturais que servem de matéria-prima. Mais do que o papel voltado à preservação ambiental, as cooperativas de reciclagem têm grande importância social.  Nelas, milhares de pessoas obtêm renda para garantirem o sustento de suas famílias. AVESOL busca o acesso as políticas de aceitação e inclusão das cooperativas de reciclagem no reconhecimento e valorização dos princípios da autogestão, ação direta e autonomia de classe.  



No último dia 26 de março de 2022, aconteceu na PUCRS o Encontro de Novos Voluntá[email protected] em formato presencial, depois de dois anos, devido a COVID 19, e apresentação das Instituições parceiras para os candidatos ao Voluntariado, que são, alunos, professores e colaboradores da PUCRS.

Foi um momento de partilha, quando as Instituições passaram sua trajetória e demandas para receber os [email protected] O mesmo foi aberto pelo Coordenador da Pastoral e Solidariedade, que integra a Pró-reitora de Identidade Institucional- PROIN, falando da importância do Voluntariado e da Solidariedade como ferramenta de construção da cidadania como também na formação de profissionais mais humanos e comprometidos com uma  transformação social.

Agradecemos a [email protected] participantes, desejando uma caminhada de conhecimento e justiça social.






segunda-feira, 28 de março de 2022

Para fortalecer  e estreitar os vínculos com a nova gestão da Instituição Madre Giovanna,  o Programa de Voluntariado da AVESOL e o Núcleo AVESOL-PUCRS (Centro de Pastoral e Solidariedade) realizaram uma visita a mesma, parceira do Voluntariado da AVESOL.

A Instituição pertence as Irmãs Missionárias Franciscanas  do Verbo Encarnado que se propõe a construção do Ser Humano Integral, acolhendo crianças, adolescentes e famílias em vulnerabilidade social, contribuindo com uma humanização mais plena dos atendidos.

Agradecemos a nova Diretora, Irmã Nathalia Dettori, pela acolhida com a certeza que a parceria continua forte e buscando sempre por uma justiça social.






sexta-feira, 25 de março de 2022

Na manhã do dia 23 de março a educadora Franqueana, visitou o grupo Arte é Vida na pessoa de seu Idemar, em uma de suas falas disse: ‘precisamos de eventos para comercializar nossos produtos, principalmente por estarmos passando por estes tempos tão difíceis dessa doença e tudo muito caro’. Falou das perdas de seus companheiros de caminhada nesse período: “tão dolorido para nós, pequeno empreendedor, se agora agente se unir podemos combater as desigualdades do atual sistema econômico e de construção de outro modelo de desenvolvimento, pautado no envolvimento das pessoas em prol do Bem Viver”. 

Para reerguermos temos que nos no unir e se empenhar mais, podemos produzir para loja virtual da Rede Ideia. Atualmente, seu Idemar está produzindo material para loja da PUC (PUCRS Store), resultado da parceria entre AVESOL, Faculdade de Design e PUCRS Store. É necessário um lugar de referência para comercialização os produtos da Rede Ideia que para nós é um veículo de construção de conhecimento sobre as realidades locais, direitos humanos, sociais e econômicos além de ser instrumento de ampliação da consciência crítica que promove a participação cidadã.





No dia 22 de março, a educadora Franqueana fez uma visita ao grupo Multi da cidade de Gravataí. O grupo é composto por 3 grandes mulheres que trabalham numa estratégia de desenvolvimento territorial, sustentável e solidário, fundamentada na organização coletiva com interesse de melhorar a qualidade de vida por meio das relações de trabalhos. No momento atual o grupo está produzindo e colocando seu material a venda numa loja coletiva de empreendimentos de Economia Popular Solidaria no centro de Gravataí, cogitaram a possibilidade de colocarem seus produtos à venda na loja virtual da Rede Ideia, mesmo sem saber lidar com as ferramentas da tecnologia. Na sua simplicidade de idade e conhecimento se expressaram com esperanças, fé e profetismo, acreditamos num novo modelo econômico pautado no afeto e solidariedade, por um mundo mais humano, menos materialista e não alicerçado no consumo excessivo que violenta e explora os recursos naturais.  








quarta-feira, 23 de março de 2022

A capacidade do trabalho voluntário é estimulada, porque percebemos que somos capazes de ajudar e contribuir, fazendo a diferença. A prática ensina que não precisamos de muito e é só começar.

Pensando nisso o Programa de Voluntariado da AVESOL e o Núcleo AVESOL/PUCRS, Centro de Pastoral e Solidariedade, realizaram uma visita à Instituição Aldeia da Fraternidade.

Fundada em 1963, a Instituição se localiza na Vila Conceição, Bairro Tristeza em Porto Alegre e é uma Associação sem fins lucrativos que oferece novas perspectivas de vida para crianças, jovens e famílias em vulnerabilidade social.

A Instituição oferece atividades lúdicas e criativas, em cultura e arte, esporte e lazer e educação para transformação, no cuidado de si, do meio ambiente e da comunidade.

Agradecemos ao Tomas Edison, assessor de comunicação e relacionamento, assim como os colaboradores que realizam seu trabalho na certeza de que fazem a diferença.




YouTube

YouTube
Assitir vídeos da AVESOL no canal de YouTube

Notícias arquivadas

Tecnologia do Blogger.

Como Chegar

Principais Contatos

51 3221 2318

[email protected]

Seguidores